Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
204 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58294 )
Cartas ( 21211)
Contos (12901)
Cordel (10242)
Crônicas (22116)
Discursos (3152)
Ensaios - (9262)
Erótico (13458)
Frases (45482)
Humor (18987)
Infantil (4214)
Infanto Juvenil (3307)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138803)
Redação (3008)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5291)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->E ambos Vicentes... -- 24/10/2013 - 16:42 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
E ambos Vicentes. Um foi ébrio, cantor, sedutor, 'nadava em ouro e tinha alcova de

cetim', já o outro, nem nos sonhos de ebriedade, nunca terá passado de Betim, tenho

por mim.

Enquanto num fim de tarde eu ouvia aquele vozeirão consagrado, no máximo som que

a radiolinha Philips portátil podia permitir: '... oh, Gilda, porque sonhador, fui deixar

um amor, na genuflexão do altar', a lembrança que me veio, se não a voz, entrou pela

janela, suave, mas penetrante: '...ói o maimeeeelo!'

E era um enchendo a casa, com sua canção em brasa, enquanto outro, do alpendre,

com seu balaio já descansando sobre a murada, ia vendendo marmelo para se fazer

marmelada. Ou pra se comer conforme o gosto de cada.

O vendedor Celestino vinha da Onça, uma cidadezinha próxima, onde floresciam e

frutificavam os marmeleiros, fruta rara, até pra mineiros. Se tinha gente de comparava

essa fruta ao jenipapo, tal a sua sensaboria, pra outros, como pra mim, era ela uma

iguaria, mesmo com marmelada enlatada da Cica ou da Peixe disponível em qualquer

armazém, ao custo de vintém.

E estavam ali, duelando para receberem a minha nobre atenção, dois Vicentes, entes

Celestinos que são.

Deixei a radiolinha (que a gente já chamava de toca-discos e que o mano Cashi, nas

noites mais inspiradas saia levando pras suas serenatas...e não sei se ouvintes das

mais sensatas) de lado, no descanso e fui cuidar da rara fruta, fruto de tanta luta.

Não voltei a ver o Marmeleiro Celestino - na certa teria ido de encontro ao seu destino.

Mas sem o amargor do cantor, ao implorar que não se fizesse na sua 'campa nenhuma

inscrição, deixai que os vermes pouco a pouco levem esse amargo coração'.

Sem parentes, ou mesmo dentes, o segundo dos Vicentes, com sua voz de menino, vai

ver de nós tá é rino.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 255 vezesFale com o autor