Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
172 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58295 )
Cartas ( 21211)
Contos (12901)
Cordel (10242)
Crônicas (22116)
Discursos (3152)
Ensaios - (9262)
Erótico (13458)
Frases (45482)
Humor (18987)
Infantil (4215)
Infanto Juvenil (3307)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138803)
Redação (3008)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5291)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->A noite de Bárbara -- 15/09/2013 - 04:12 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Era noitinha quando, sob o bruxuleio da iluminação pública, aquela aglomeração

que se formava à porta da fábrica virou procissão e saímos todos acompanhando a

Bárbara que, aposentada, fazia o seu primeiro trajeto para casa, como ex-operária.

O ano era 1960, ou 61, e a procissão não precisava percorrer mais que duas

quadras para conduzir a aposentanda à sua casinha que, rua acima, ficava na

primeira dobrada à esquerda após o Posto do Lídio.

Mas como uma simples aposentadoria de uma simples tecelã poderia ganhar

aqueles ares de evento - insisto, e bote vento nisto. E até o gerente da `fapa`

estava lá felicitando a felizarda e pelo menos solfejando aquele refrão,

aparentemente espontâneo que muita gente deu vazão, sem senões e de plenos

pulmões - recheados de algodões: '...A Barba trabaiô muito, agora vai discansá...'.

E a gentil `Barba`, que vi não mais do que num relance - pois não ousara encará-

la - podia ser decana do operariado, mas, chupadinha, parecia trair os sessenta

e poucos anos que lhes davam, ou os dentes que lhe faltavam. Seu rosto vincado

daquele jeito, na certa era pouco afeito aos rodeios e paparicos que agora recebia

em profusão. Não me lembra se ela retribuiu com café e biscoitos o mimo que

recebia, pois era gente muita e só da janela é que pude dar uma rápida espiada

naquele alvoroço de gente - e até de gerente. E ela, mesmo morando com umas

irmãs, era uma só, iria desatar aquele nó?

A homenageada ia poder acordar mais tarde no dia e nos anos seguintes, sem ligar

pro grito e rito da chaminé, mas será que acharia graça na vida depois daquele

súbito e coletivo cafuné?
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 201 vezesFale com o autor