Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
72 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57105 )
Cartas ( 21170)
Contos (12601)
Cordel (10092)
Crônicas (22212)
Discursos (3137)
Ensaios - (9015)
Erótico (13403)
Frases (43753)
Humor (18484)
Infantil (3792)
Infanto Juvenil (2716)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138313)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4889)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Retrocesso no Egito -- 27/06/2013 - 15:47 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

RETROCESSO NO EGITO

Aumenta a intolerância de setores femininos e jovens contra cristãos e judeus no país.

:: BEATRIZ W. DE RITTIGSTEIN para o jornal venezuelano ‘EL UNIVERSAL’

Tradução de FRANCISCO VIANNA

Terça feira, 25 de junho de 2013

Mesmo que o Egito nunca tenha desfrutado de um regime democrático, a presente presidência de Mohamed Mursi, proveniente das hostes da Irmandade Muçulmana, está a mostrar um grave retrocesso no que diz respeito à fragilização dos direitos humanos.

Desde que os islamitas chegaram ao poder, os militantes têm se dedicado a queimar lares e negócios de concidadãos cristãos e incendiado também igrejas coptas.

As mulheres, vítimas da arbitrariedade islâmica, são obrigadas, inclusive as cristãs, a usar, em público, o niqab, um véu negro que oculta o rosto. Os jovens, que se levantaram contra Mubarak em busca de liberdades, são acossados pelas atuais autoridades que se aproveitaram daquela rebelião.

niqab-islamic-dress.jpg

O niqab, às vezes confundido com a burqa, embora o objetivo seja o mesmo, ou seja o de ocultar o rosto da mulher, considerado imoral e pecaminoso pelos islamitas radicais. À  direita, foto exibida como piada no Ocidente, mostra a burqa, exigida pelo Talibã.

 Durante os novos protestos, a polícia enfrentou com brutalidade os manifestantes e o governo de Morsi trata de desmobilizá-los mediante o uso da violência.

No Egito islamita está em moda o antijudaísmo. Os meios de comunicação estatais promovem preconceitos arcaicos surgidos na Europa medieval. Por exemplo, o jornal Misrelghdida publicou artigos pelos quais acusa os judeus de “beberem o sangue dos gentios”, na Páscoa. Um editorial do jornal El Ballad afirmou que os judeus, juntamente com Hitler, inventaram o genocídio de seis milhões de seus congêneres para favorecer o projeto sionista (de construção do Estado de Israel), "eximindo a Alemanha"; discorreu que estiveram por trás dos atentados de 11 de setembro nos EUA; e dizendo que foram judeus e cristãos que perpetraram o recente atentado em Boston, como uma advertência a Obama para que não se meta com Israel.

A intolerância de setores femininos e jovens e contra os cristãos e judeus, demonstra que o caminho errado que o país está a trilhar e que é controlado pelo radicalismo religioso, o está a converter numa teocracia semelhante à iraniana.

bea.rwz@gmail.com

http://www.eluniversal.com/opinion/130625/regresion-en-egipto

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 491Exibido 177 vezesFale com o autor