Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
49 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59135 )

Cartas ( 21236)

Contos (13102)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46519)

Humor (19281)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->BRINCANDO COM FOGO -- 25/06/2013 - 21:53 (Délcio Vieira Salomon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.


                                                                                                                                        BRINCANDO COM FOGO



Délcio Vieira Salomon



Ou a presidente Dilma não entendeu a gravidade da situação ou está brincando com fogo. É o que se deduz de suas palavras nos últimos dias e pelas propostas apresentadas aos governadores e prefeitos por ela convocados como a fazer pano de fundo de seu pretenso (para mim hipócrita) gesto de estadista e de demonstração de que sabe ouvir a voz das ruas e se dispõe a resolver os problemas suscitados pelas reivindicações dos manifestantes há mais de uma semana. Como lembrou Dora Kramer em seu artigo no Estadão: “propôs a discussão de "cinco pactos" que poderiam ser vistos como itens de uma boa carta de intenções caso as soluções não estivessem nas mãos de um grupo que há dez anos ocupa o poder”.



Como se dizia antigamente “de gente de boas intenções o inferno está cheio”. Antes fosse simplesmente declaração de boas intenções. A mim me pareceu que ela quis jogar no colo dos governadores e dos prefeitos a bomba que o povo brasileiro, através dos manifestantes, lhe colocou nas mãos. Ou, então foi jogo de cena para as TVs transmitirem, acreditando ela que estaria agindo como um presidente da República deveria agir. A prova do que estou dizendo está no fato de os participantes da reunião com a presidente saíram desiludidos e desesperançosos, como o noticiário da mídia registrou.



Outra impressão causada: ela sabe onde e o que realmente deve ser mudado, mas não tem coragem, nem verdadeiro interesse em agir para tal. A qualquer cidadão neste país, que não esteja comprometido com o “status quo” político e partidário e, por isso, não tem interesse subalterno a defender, o verdadeiro problema, apesar de complexo, já foi apontado “ad nauseam” pelos próprios manifestantes, através de seus cartazes e gritos nas ruas, pelos analistas, pelos depoimentos transcritos nas redes de rádio e televisão ou nos espaços em que a imprensa escrita proporciona aos leitores.



Há também a possibilidade de estar imitando seu padrinho ou obedecendo a suas instruções (por falar nisso: em momento tão grave por onde anda Lula?). Em outras palavras: ela deve estar seguindo, ao pé da letra, a cartilha da hipocrisia. Ela que outro dia citou o velho de Restelo, personagem camoniano que recriminava a ambição dos navegantes portugueses que se tornaram descobridores de terras da África e da América, merece ouvir o o próprio criador do personagem. Permita-me o leitor reproduzir tais versos e os interprete como bem lhe convém:



"Nas mostras e no gesto o não mostrou,/Mas, com risonho e ledo fingimento,/Tratá-los brandamente determina,/Até que mostrar possa o que imagina. (Lus.: 1, LXIX, 549 –552). Nenhum que use de seu poder bastante / Para servir a seu desejo feio,/ E que, por comprazer ao vulgo errante, / Se muda em mais figuras que Proteio./ Nem, Camenas, também cuideis que cante / Quem, com hábito honesto e grave, veio,/ Por contentar o rei, no oficio novo, / A despir e roubar o pobre povo! (Lus.: 7, LXXXV, 673 – 680).



Fosse honesta e sincera, ou, ao menos, não comprometida com as imposições do PT, nem com intenção de tirar proveito para se reeleger, tomaria determinadas providências drásticas imediatas. Há lista de medidas a correr pela internet. Em nome da verdade nem tão grande, nem irreal. Quase todas dependem simplesmente de atos da presidente da República. À guisa de exemplificação: diminuição dos ministérios, extinção de cargos e empregos de milhares de funcionários públicos comissionados ou  nomeados sem concurso, revisão dos contratos com empreiteiras e exigência de transparências em todos os setores dos gastos públicos, combate efetivo à corrupção, inclusive começando pelo apoio ostensivo à condenação dos mensaleiros, reconhecer que errou nos gastos superfaturados com a construção de estádios para a Copa de 2014 e correção de tais abusos, investir maciçamente na saúde e educação... Mas aqui é que vem a questão: teria coragem tomar estas atitudes, quando, depois de demitir ministros corruptos no início do seu governo, voltou atrás e não só nomeou gente por eles indicada como os transformou em conselheiros? Eis apontado o nó górdio da questão fundamental: este governo está podre, porque Lula o apodreceu e transferiu essa herança maldita para dona Dilma e ela, que posou no início de vestal da república, hoje já se mostrou conivente com tudo de errado, ilegal e antiético que seu antecessor e padrinho fez.



Por isso, o título desse texto: ela está brincando com fogo. E quem brinca com fogo corre o risco de se queimar. Queiram os deuses que ela se queimando, não deixe o fogo se alastrar pelo país afora. Se é que já não o está!







 


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui