Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
84 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57118 )
Cartas ( 21170)
Contos (12599)
Cordel (10093)
Crônicas (22213)
Discursos (3137)
Ensaios - (9017)
Erótico (13404)
Frases (43773)
Humor (18492)
Infantil (3793)
Infanto Juvenil (2720)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138322)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2402)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4894)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->A simbiose entre a esquerda e as nações europeias -- 13/09/2011 - 12:27 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

WWF DIZ QUE Amazônia tem & 39;uma nova espécie descoberta a cada TRes dias& 39;

 

 Entre 1999 e 2009, mais de 1.200 novas espécies foram identificadas na Maior Floresta Tropical do mundo, segundo o relatório do WWF, o que, certamente significa que o conhecimento sobre sua fauna é ainda muito limitado e não que a floresta seja uma “fábrica diária de novas espécies”, com querem fazer crer milhares de ONGs estrangeiras instaladas na região norte do Brasil e com interesses inconfessáveis na região.

:: FRANCISCO VIANNA – com base em matéria publicada pela BBC

Domingo, 11 de setembro de 2011

 

A WWF é uma ONG britânica instalada na Amazônia há mais de duas décadas e que age segundo os interesses britânicos como nação hegemônica e colonialista e que é soberana sobre a Guiana Inglesa com capital em Gerogetown. Na foto acima, a perereca Osteocephalus vastaneicola, descoberta há tempos na região.  A política ecológica é usada para impedir que o Brasil integre a Amazônia ao processo produtivo nacional... E há brasileiros que colaboram com esse tipo de coisa.

 

A ‘organização ambientalista’ internacional WWF (World Wildlife Foundation – ou Fundação Vida Selvagem Mundial), que tem sede na Suíça, mas é britânica, expediu um ‘relatório’ que faz uma extensa compilação das mais de 1.200 novas espécies de animais e vegetais descobertas na Amazônia na última década. Segundo o estudo, intitulado "Amazon Alive!" (Amazônia Viva!) uma nova espécie foi descoberta a cada três dias na região entre 1999 e 2009, o que não deixa de ser um ‘jogo numérico e de palavras’, com base apenas na intensidade de catalogação nesse período. Acredita-se que a região ainda possua um número muito grande de espécies desconhecidas – mas não necessariamente ‘novas’ – ainda a serem catalogadas.

Os números comprovam que a Amazônia é dos lugares de maior biodiversidade da Terra: foram catalogados 637 novas plantas, 257 peixes, 216 anfíbios, 55 répteis, 39 mamíferos e 16 pássaros, o que evidencia que o interesse inglês nessa biodiversidade constatou que a fauna amazônica era e, ainda é, pouco conhecida. Por isso seus pesquisadores dizem que "o volume de descobertas de novas espécies é incrível - e isso sem incluir o grupo dos insetos, onde as descobertas também são muitas", como afirma a coordenadora da WWF no Brasil Sarah Hutchinson. Todavia, a verdade é que a grande maioria dessas espécies não é de ‘novas espécies’, mas de espécies que eram ainda desconhecidas da civilização. Aí vem em seguida o seu objetivo político: "O relatório mostra a incrível diversidade da vida na Amazônia e por isso precisamos de ações urgentes para que essas espécies sobrevivam", diz a coordenadora da WWF. Ou seja, é preciso que brasileiro não entre lá e, muito menos, explore seus recursos naturais...

É claro que, se dependesse das atividades de pesquisas das universidades tupiniquins, estas e muitas outras espécies continuariam ainda ignoradas. Infelizmente, é preciso que estrangeiros venham para o nosso país para descobrirem e catalogarem nosso patrimônio genético natural, o que, evidentemente representa um custo, que, no caso pode ir muito além da exploração comercial de substâncias extraídas dessas espécies e por ação de tais ONGs e a colaboração criminosa de nossos governantes poderá chegar à perda da soberania nacional de toda a região.

Os brasileiros responsáveis e patriotas vêm com justa preocupação a evolução da presença estrangeira na Amazônia e a demarcação de “terras indígenas” de forma contínua em áreas de fronteira – onde até nossas Forças Armadas têm dificuldade em penetrar – sendo estabelecidas em áreas imensas e extremamente ricas não apenas em biodiversidade mas também em seu subsolo, como foi o caso da “Reserva Raposa Serra do Sol” no Estado de Roraima, uma área maior do que o Estado de Alagoas na fronteira entre o Brasil com a Venezuela e a Guiana Inglesa. *

 

A finalidade dessas ONGs – e a WWF foi uma das primeiras a se instalar na Amazônia (bem antes de fundar o & 39;capítulo brasileiro& 39;) - é a de impedir que a ALB (Amazônia Legal Brasileira) seja incorporada ao processo produtivo nacional. Foi a WWF que "importou" - dando presentes caros a seus caciques e prometendo mundos e fundos a eles – pelo menos quatro tribos de índios entre os venezuelanos (os MACUXIS, que até hoje não falam o português) e outras três tribos peruanas que até hoje estão em litígio entre si. Saíram de uma situação de completo abandono e miserabilidade em seus países de origem e se tornaram latifundiários no Brasil onde receberam, do governo Lula, a Reserva Raposa Serra do Sol, uma área maior que o estado de Alagoas, na divisa do Brasil com a Venezuela e com a Guiana Inglesa. Agora preparam-se para lucrar com a exploração estrangeira da sua biodiversidade e, principalmente, das reservas minerais do subsolo (nióbio, ouro, diamantes, etc.), petróleo incluído.

 

Também foi a WWF que inventou a mítica tribo YANOMANI (palavra que surgiu de uma frase escrita por uma antropóloga e jornalista polonesa que dizia: "THERE& 39;S YET NO MAN IN THERE", para afirmar que durante seus cinco anos de permanência e pesquisas na região, não pode constatar nenhuma presença humana nativa naquela região antes de 1980).

 

ESTA É UMA DAS MAIORES TRAIÇÕES AO BRASIL, COMETIDA PELA ESQUERDA EM RETRIBUIÇÃO AO FINANCIAMENTO QUE VEM RECEBENDO DOS EUROPEUS NAS TRÊS ÚLTIMAS DÉCADAS.

 

Não sei como a História vai contar esta estória... Numa época em que a História costuma ser reescrita pelas ideologias de plantão...

 

(*) - Raposa-Serra do Sol é uma área de terra indígena (TI) situada no nordeste do estado brasileiro de Roraima, nos municípios de Normandia, Pacaraima e Uiramutã, entre os rios Tacutu, Maú, Surumu, Miang e a fronteira com a Venezuela. [1] destinada à posse permanente dos grupos indígenas ingaricós, macuxis, patamonas, taurepangues e uapixanas; essas tribos foram trazidas da Venezuela e do Peru para a região – que era desabitada até fins da década de 1980 – por ONGs estrangeiras, principalmente pela WWF. A Raposa Serra do Sol foi demarcada de forma contínua na fronteira do Brasil com a Guiana Inglesa e a Venezuela pelo Ministério da Justiça, através da Portaria Nº 820/98, posteriormente modificada pela Portaria 534/2005. A demarcação foi homologada por decreto de 15 de abril de 2005, da Presidência da Republica e tem uma área superior à do Estado de Alagoas. Mais da metade da área é constituída por vegetação de cerrado, denominada regionalmente de “lavrado”. A porção montanhosa culmina com o Monte Roraima, em cujo topo se encontra a tríplice fronteira entre Brasil, Guiana e Venezuela. Trata-se de uma área altamente estratégica para o país pela localização geográfica e pelos imensos recursos minerais, aquíferos e de biodiversidade.  

 

     Francisco Vianna
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 491Exibido 343 vezesFale com o autor