Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
87 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59135 )

Cartas ( 21236)

Contos (13102)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46519)

Humor (19281)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->CRAS DIES TERRIBILIS -- 29/05/2013 - 18:21 (Délcio Vieira Salomon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

                                                                                                                                                                                                                             CRAS  TERRIBILIS   DIES

Délcio Vieira Salomon

Ao ler hoje o texto do economista Waldir Serafim intitulado: “Saiba o que Lula fez de 2002 a 2010 com ‘a divida interna/externa’ do Brasil”, fui tomado de duplo sentimento: perplexidade e certeza.

Certeza, porque, finalmente, para minha ignorância das teorias econômicas, desde quando ouvi Lula proclamar que havia liquidado a dívida externa e se livrado do FMI, “como nunca dantes na história deste país, havia acontecido” pairava em minha mente a instigante pergunta: - É verdade? Se for, como conseguiu tal feito? Agora no referido texto de W. Serafim encontro a resposta para o que apenas desconfiava.

Quando Lula foi eleito em 2002, a dívida do Brasil era: externa = 212 bilhões de reais; interna = 640 bilhões. Total = 852 bilhões. Em 2007, proclamou alto e bom som que pagara a dívida externa. Acontece que para tal feito, aumentou a dívida interna e a contabili-dade assim ficou: dívida externa = 0 bilhões. Dívida interna = 1.400 trilhão.

Como apontou W. Serafim, “não se vê mais na TV e nos jornais algo dito que seja convincente sobre a dívida externa quitada”. Por quê? É que ela voltou. Em 2010, ainda no governo Lula: dívida externa = 240 bilhões; interna = 1.650 trilhão. A dívida do Brasil aumentou em 1.030 trilhão. Este é o dinheiro que está sendo gasto no PAC, nas bolsas: família, educação, faculdade, cultura, para presos... Com tal dinheiro é que tirou 30 milhões de brasileiros da pobreza! Tudo com único objetivo: perpetuação do PT no poder.

Esta a mágica do maior farsante que este país jamais teve!

Como disse, no início, além de certeza, fui tomado do sentimento de perplexidade. Ou melhor: preocupação angustiante com o dia de amanhã. Sou levado a dizer com Cícero, quando previu a derrocada do império romano: “aliquod crastinus dies ad cogitandum dabit”. Em tradução livre: os próximos anos darão para nos preocupar! Quisera que este cras, existente no termo “crastinus”, fosse outro, o cantado pelo poeta: “cras novus dies” (amanhã será um novo tempo)!
Para agravar a situação, este país, cantado em prosa e verso como o grande país do futuro (a “espelhar tanta grandeza”) sucumbe diante da demagogia e da corrupção, estas sim “nunca dantes vistas na história deste país”.

Para agravar a situação, corre nas entrelinhas do noticiário, conforme denunciou o notável jornalista Carlos Chagas, a possibilidade de Joaquim Cardoso renunciar ao mandato de presidente e de membro do STF, diante da provável votação dos ministros “petistas”  na revisão do processo, a favor dos condenados do mensalão.


Sinceramente, se tal ocorrer o “cras dies” será o “dies irae, dies illa”, previsto pelo profeta Jeremias, em que“ solvet sæclum in favilla” (em tradução livre: “o dia da ira, ou seja, aquele dia da revolta, em que o país se dissolverá em cinzas”). Sim é de se temer que o futuro desta nação, que, desde sua descoberta, deixou de ser a terra prometida, onde correria leite e mel, com riquezas infindáveis, se torne triste areal, onde falsos líderes, ao tomar o poder, corromperam as instituições e espalharam a desesperança e a desilusão para um povo generoso e bom.

Sim, temo que o dia de amanhã seja o “terribilis dies”! Talvez Cassiano Ricardo em seu Jeremias sem chorar ou em Um dia depois do outro tenha tido razão!


 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui