Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
178 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58296 )
Cartas ( 21211)
Contos (12891)
Cordel (10242)
Crônicas (22116)
Discursos (3152)
Ensaios - (9262)
Erótico (13457)
Frases (45483)
Humor (18988)
Infantil (4215)
Infanto Juvenil (3309)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138804)
Redação (3008)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5292)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->FIO DE SEDA ALONGADO -- 26/06/2011 - 03:42 (Dalva da Trindade S. Oliveira (Dalva Trindade)) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

FIO DE SEDA ALONGADO

‘A genética é um delicado fio de seda que se estende por várias gerações unindo todos através, principalmente, da sensibilidade, afora outros caracteres.
É um privilégio visualizar todo o processo, integrada nessa mesma linhagem...’

O fio de seda se prolonga...

Brota um novo casulo, uma nova semente se desenvolve no ninho escolhido. É a continuidade do processo da vida, é a nova geração a caminho com a sua cota de labor para a grande festa da colheita.

A ninguém é concedido, presumidamente, o direito de calar a voz da alegria e as demonstrações de prazer com a expectativa de um ser gestado na mesma cadeia genética dos “bichos-da-seda”, de tolher uma comemoração do prolongamento da fiação tão delicada e tão preciosa desse tecido singular.

O dom da vida parece tão banal para alguns! Apesar dessa visão disforme, o dom de gerar outras vidas é um privilégio incomum para muitos. Dom é dádiva, é presente, é uma aptidão, um benefício de Deus que gera uma série infinita, também, de responsabilidades.

Louvo e agradeço ao Criador por essa explosão de microscópicas células que se conjugam e se transformam, paulatinamente, em pequenos órgãos que reunidos em um pequenino e delicado corpo, já provocam sorrisos e lágrimas de amor aos primeiros movimentos dentro e fora do casulo.

Posso chorar, mas de efusão de amor. Posso sentir angústia, mas na expectativa da alegria. Muitas vezes ficarei em silêncio, observando a maravilha da criação. Em diversos momentos os sentimentos serão o leme do barco das minhas ações, e toda a sensibilidade e carinho serão externados, sem policiamentos convencionais, como é natural em uma árvore que vê seus ramos se desenvolverem bela, fecunda e saudavelmente.

As raízes se estendem... Vibro de emoção sabendo que partículas da seiva que produzo, e que já são mescladas com o resultado de outras combinações, fazem e farão parte de novos e sempre amados rebentos genéticos. Proteção e amor divino para todas as pequenas sementes geradas nos casulos que continuarão a desdobrar o fio de seda da nossa hereditariedade é o meu desejo.

Dalva da Trindade S. Oliveira
26 de junho de 2011 03h12m

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 3Exibido 334 vezesFale com o autor