Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
41 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59135 )

Cartas ( 21236)

Contos (13102)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46519)

Humor (19281)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Autonomia da universidade pisoteada -- 22/04/2013 - 16:28 (Délcio Vieira Salomon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.


Autonomia da universidade pisoteada



Délcio Vieira Salomon



Segundo se lê nos jornais dessa segunda feira (22.04.2013) o MEC, chefiado pelo sr. Mercadante, acaba de cometer um dos maiores atentados à autonomia da Universidade . Conseguiu fosse aprovada lei que dificulta as universidades federais contratar professores com título de pós-graduação (Mestrado e Doutorado).



O PT no governo, não satisfeito em baixar o nível da qualificação tanto no ingresso na política quanto no serviço público federal ou no estadual e no municipal, onde esteja governando, por estender sua bandeira de ocupar espaço, em forma de peleguismo, a ponto de praticamente menosprezar os concursos para cargos e carreiras, avança sua demagogia para dentro das universidades públicas federais.



Desde a década de 90 tem sido norma das universidades federais exigir para entrar na carreira docente o título de mestre e/ou de doutor. Conquista conseguida, a duras penas, em nome da autonomia da universidade. A tese de que, dada a origem histórica e a natureza da universidade, cabia ao governo federal respeitar e não conceder autonomia, pois esta já estava assegurada desde a constituição de universidade quando de sua criação na Idade Média, com a recente lei, foi completamente ignorada.



Segundo se lê na imprensa, a referida exigência acaba de perder sua base legal. Agora qualquer graduado, bacharel ou licenciado pode entrar para o magistério universitário. Por pouco não estaria estipulado no tal dispositivo legal: para atender a demanda de emprego, dê-se preferência aos graduados, por serem em maior número. Triste ironia a caracterizar nossos tempos.



Não contente em inchar o serviço público, notadamente os cargos de direção, com pessoal desqualificado, o governo petista, ao abrir as portas das universidades federais, a qualquer bacharel ou graduado, ignora, ou melhor, finge ignorar a autonomia universitária.



Para quem tem acompanhado a partidarização e o decmocratismo dentro da universidade, como já apontei em artigo anterior, não é de estranhar que o governo petista chegasse a esse ponto.



Um partido que pôs um apedeuta na presidência, ao se apegar ao poder, pouco se importando se os meios e as medidas tomadas sejam éticos ou morais, não tem o menor escrúpulo em pisotear a maior instituição da inteligência do país, desde que seus atos atendam a seus interesses, nem sempre confessáveis.



Triste é, porém, saber que nossos dirigentes universitários – reitores e diretores de unidades com seus conselhos e congregações – nada fazem para opor um basta a esta ousadia, digna dos demagogos e pelegos que, por serem tais, não medem limite a suas atitudes.

 


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui