Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
82 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57096 )
Cartas ( 21170)
Contos (12597)
Cordel (10091)
Crônicas (22210)
Discursos (3136)
Ensaios - (9014)
Erótico (13401)
Frases (43744)
Humor (18481)
Infantil (3788)
Infanto Juvenil (2712)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138305)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4888)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Saiu o gênio da garrafa! -- 02/10/2009 - 08:16 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Saiu o gênio da garrafa!

Alejandro Peña Esclusa

Presidente de UNOAMÉRICA

Após 90 dias de crise regional, desatada pela destituição constitucional do ex-presidente Manuel Zelaya, muitos dos governos começam a se arrepender de seu comportamento inicial frente ao ocorrido em Honduras.

Desde o princípio assumiram uma posição parcializada, de apoio irrestrito a Zelaya, em que pese numerosas violações constitucionais em que o deposto mandatário havia incorrido. Se apressaram a afirmar que tinha havido um “golpe militar”, embora as Forças Armadas tivessem atuado por ordem do Congresso e da Corte Suprema de Justiça.

Os governos da ALBA procederam a intervir flagrantemente nos assuntos internos de Honduras, ameaçando inclusive em auspiciar uma invasão armada. Como a ALBA fracassou, a OEA – e particularmente Insulza – quis impor sua vontade aos hondurenhos, sem sequer escutar as outras partes em conflito. Dado que a OEA não conseguiu seus objetivos, então se propôs a mediação de Arias, sob fortes pressões do Departamento de Estado para restituir Zelaya. Quando esta estratégia tampouco funcionou, a ONU tomou a batuta e prometeu graves sanções ao povo hondurenho. Por último, Lula tirou sua máscara de moderado, avalizando a volta clandestina de Zelaya e proporcionando-lhe meios para que auspiciasse uma guerra civil.

A crise hondurenha fez com que os encarregados da segurança mundial esquecessem suas prioridades: pouco importava que, graças à ALBA, avançasse o fundamentalismo islâmico na região que os computadores de Raúl Reyes documentassem os vínculos de Chávez com as FARC que se fechassem os meios de comunicação na Venezuela e que valises repletas de petrodólares fossem usadas para modificar o tabuleiro político regional. A única coisa importante era a volta de Zelaya.

Os povos latino-americanos observaram atônitos como se conformou um bando dos poderosos contra um pequeno país centro-americano, enquanto os governos da ALBA pisoteiam todos os dias as constituições de seus respectivos países.

Como conseqüência de tanta injustiça, um sentimento generalizado de indignação começou a se propagar em toda a América Latina. Centenas de artigos circularam criticando o duplo discurso da OEA. Os estudantes venezuelanos escolheram a sede da OEA em Caracas para fazer uma greve de fome. Setores políticos no Brasil condenaram que sua embaixada em Tegucigalpa se convertesse em um quartel para promover a violência. Um candidato presidencial boliviano viajou a Washington para pedir que a Comissão Interamericana de Direitos Humanos se ocupasse em cumprir com sua função, em lugar de cair em cima de Honduras. A Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos se levantou contra o Departamento de Estado e declarou que a sucessão de Zelaya foi constitucional. Em resumo, saiu o gênio da garrafa!

Agora que a hipocrisia dos organismos multilaterais ficou a descoberto agora que se evidenciou o controle de Chávez sobre a OEA agora que os povos estão reagindo frente a tanta injustiça, alguns governos estão preocupados. Sua arrogância e sua intransigência estão se rachando e por isso tratam infrutuosamente de colocar o gênio na garrafa de novo.

Sem levar em conta o que ocorra no futuro, já nada será igual. O valente testemunho do povo hondurenho servirá de inspiração para que as vítimas do Foro de São Paulo se animem a defender seus direitos e a libertar-se da tirania. Sem dúvida, os latino-americanos temos muito o que agradecer aos hondurenhos.


Tradução: Graça Salgueiro


OS MOVIMENTOS CONSERVADORES, DITOS DE DIREITA, COMEÇAM A INCOMODAR OS GLOBALISTAS (E LIBERAIS AMERICANOS). A IMPORTÂNCIA CRESCENTE DE UNOAMÉRICA FOI RECONHECIDA PELO BRASIL DE FATO, ÓRGÃO LIGADO AO PT (LEIA Organização de Extrema-Direita Ronda o Brasil). O INSTITUTO MILLENIUM, FOI ATACADO COMO REDUTO DE CONSERVADORES (LEIA Instituto Millenium, catalisador de ideias conservadoras). NOS ESTADOS UNIDOS UM DOS MAIORES PORTA-VOZES DO LIBERALISMO, LEIA-SE ESQUERDA GLOBALISTA, THOMAS FRIEDMAN DO New York Times, ATACOU DURAMENTE OS CONSERVADORES (LEIAPara onde `nós` fomos?).

TUDO ISTO TEM RELAÇÃO COM A `CRISE HONDURENHA`, COM O BELÍSSIMO EXEMPLO DE UMA DITADURA QUE DERRUBOU UM PRESIDENTE DEMOCRATICAMENTE ELEITO E RESISTE HÁ TRÊS MESES AO MAIOR ASSÉDIO DA HISTÓRIA PELA `COMUNIDADE INTERNACIONAL`! HONDURAS ESTÁ DOMINADA POR UMA TEMÍVEL DITADURA QUE SE OPÕE ÀS PRÁTICAS DEMOCRÁTICAS DE CONTROLE ABSOLUTO PELAS MAIORIAS:

A DITADURA DA LEI!


-------------------------------


PARA ONDE `NÓS` FOMOS? - THOMAS FRIEDMAN
[http://www.heitordepaola.com/publicacoes_materia.asp?id_artigo=1293]
Para onde 'nós' fomos? AFP Para Friedman, crítica da direita à Obama, 'começou a se transformar em deslegitimização' Thomas L. Friedman Do The New York Times Odeio escrever sobre isto, mas eu, de fato, já estive nesta peça antes e ela é realmente perturbadora. Estava em Israel entrevistando o Primeiro-Ministro Yitzhak Rabin pouco antes de ele ser assassinado em 1995...


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 491Exibido 357 vezesFale com o autor