Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
74 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57116 )
Cartas ( 21170)
Contos (12600)
Cordel (10093)
Crônicas (22214)
Discursos (3137)
Ensaios - (9018)
Erótico (13404)
Frases (43781)
Humor (18494)
Infantil (3794)
Infanto Juvenil (2721)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138319)
Redação (2927)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2402)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4896)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Previdência Social: Cidadãos de 1ª e 2ª Classes -- 19/11/2008 - 11:15 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Amigo Marcos

O mais importante sobre o tema, por má-fé ou ignorância, ninguém comenta:

1 - A imoralidade existente entre os trabalhadores de primeira classe (públicos da União)) com aposentadoria média mensal de R$ 4.615,37 e os trabalhadores de segunda classe (privados - INSS) com salário médio mensal de R$ 629,00 (84,22% menor).

2 - Os benefícios dos trabalhadores de segunda classe atendem a 22,3 milhões de aposentados e pensionistas, com salário médio mensal de R$ 629,00 gerando déficit de R$ 34,4 bilhões (1,24% do PIB).

4 - Os benefícios dos trabalhadores de primeira classe (União) atendem apenas 1.074.105 servidores aposentados e pensionistas (745.445 civis e 328.660 militares), com salário médio/mês de R$ 4.615,37 gerando déficit de R$ 49,9 bilhões (1,80% do PIB).

5 - Além da aberração econômica abaixo colocada:

Reflexão Sobre Previdência Social no Brasil – Fonte IBGE

Base: Setembro de 2008

Premissa Maior

Em setembro de 2008, segundo o IBGE, a População Ocupada (PO) tinha a participação de 45,0% de mulheres e 55,0% de homens, a População em Idade Ativa (PIA) de 53,8% de mulheres e 46,2% de homens e a População Economicamente Ativa (PEA) de 46,0% de mulheres e 54,0% de homens.

Premissa Menor

As mulheres contribuem com cinco anos menos para a previdência (INSS ou Servidores Públicos) em relação aos homens, obtendo os mesmos benefícios dos homens, além de terem uma expectativa de vida de 7,5 anos maior do que os homens (homens 69,0 anos e mulheres 76,5 anos). Os militares possuem o direito de computarem nos cálculos de suas aposentadorias o período das escolas preparatórias e academias militares (5 anos). Com base na técnica atuarial existem 12,5 anos nas aposentadorias femininas civis, e 17,6 anos nas aposentadorias femininas militares, sem fontes de contribuições.

Conclusão

Como as estatísticas demonstram, nos últimos trinta anos, o crescimento exponencial da participação da mulher no mercado de trabalho, é óbvio e ululante que o Brasil vem montando uma bomba-relógio na previdência social, de proporções inimagináveis, que começará a ser sentida nos próximos anos, com o início dos pagamentos dos benefícios sem fontes de contribuição. Com base nas premissas acima colocadas, a falência total do sistema será inevitável.


Arquivos oficiais do governo estão disponíveis aos leitores.


Em vista do acima exposto debater previdência de uma forma global é no mínimo esquisito.

Ricardo Bergamini


***

----- Original Message -----
From: Marcos Coimbra
To: Ricardo Bergamini
Cc: Marcos Oliveira
Sent: Wednesday, November 19, 2008 9:38 AM
Subject: Re: artigo

Prezado amigo Ricardo Bergamini:

Grato pela remessa do seu, como sempre, excelente trabalho.

Acontece que, segundo a Constituição de 88, outras fontes (Cofins, CSLL etc.) também deveriam ser destinadas a prover os gastos com a seguridade social, o que não acontece, como V. bem sabe, desviadas pelas sucessivas adminiitrações, através de vários artifícios (DRU etc).

Aí, segundo dados da UNAFISCO a situação se inverte, passando o saldo a ser amplamente superavitário.

O senador Paim fala em mais de R$ 60 bilhões neste ano.

Abraços amigos,

Marcos Coimbra


***

----- Original Message -----
From: Ricardo Bergamini
To: Marcos Coimbra ; Marcos Oliveira
Sent: Wednesday, November 19, 2008 5:17 AM
Subject: Re: artigo

Previdência Social - União e INSS – Fonte MF

Base: Setembro de 2008

Quadro Demonstrativo XIII - Previdência Social

Fonte de Consulta MF - Base R$ bilhões

Itens
1998
% PIB
2002
% PIB
2007
% PIB
2008*
% PIB

Déficit INSS
(8,4)
(0,86)
(13,5)
(0,91)
(28,6)
(1,12)
(34,4)
(1,24)

Contribuições
45,0
4,59
76,3
5,16
150,4
5,90
162,3
5,85

Benefícios
(53,4)
(5,45)
(89,8)
(6,07)
(179,0)
(7,02)
(196,7)
(7,09)

Déficit União
(20,0)
(2,04)
(28,1)
(1,90)
(48,3)
(1,90)
(49,9)
(1,80)

Contribuições
2,6
0,27
5,3
0,36
7,1
0,28
8,3
0,30

Benefícios
(22,6)
(2,31)
(33,4)
(2,26)
(55,4)
(2,18)
(58,2)
(2,10)

Déficit Total
(28,4)
(2,90)
(41,6)
(2,81)
(76,9)
(3,02)
(84,3)
(3,04)

*Previsão

Com base nos números conhecidos em setembro de 2008 podemos prever um déficit do setor privado (INSS) de R$ 34,4 bilhões (1,24% do PIB) e déficit do setor público federal de R$ 49,9 bilhões (1,80% do PIB), totalizando no ano 2008 déficit de R$ 84,3 bilhões (3,04% do PIB).

Com base nos números conhecidos em setembro de 2008 podemos prever uma arrecadação do sistema de previdência geral (INSS) de R$ 162,3 bilhões em contribuições de empresas (5,7 milhões) e empregados e autônomos ativos da iniciativa privada (46,1 milhões), pagando benefícios da ordem de R$ 196,7 bilhões para um contingente em torno de 22,3 milhões de aposentados e pensionistas, com salário médio mensal de R$ 629,00 gerando déficit de R$ 34,4 bilhões (1,24% do PIB).

Com base nos números conhecidos em setembro de 2008 podemos prever uma arrecadação do governo federal junto aos servidores de R$ 8,3 bilhões (Militares - R$ 1,5 bilhão; Parte Patronal da União dos funcionários civis Ativos e Inativos - R$ 1,0 bilhão e Parte dos Funcionários Civis Ativos e Inativos - R$ 5,8 bilhões) de um contingente de pessoal ativo da ordem de 1.214.345 servidores (785.836 civis e 428.509 militares), com salário médio/mês de R$ 5.881,90, pagando benefícios de R$ 58,2 bilhões para um contingente de 1.074.105 servidores aposentados e pensionistas (745.445 civis e 328.660 militares), com salário médio/mês de R$ 4.615,37 gerando déficit de R$ 49,9 bilhões (1,80% do PIB).

Arquivos oficiais do governo estão disponíveis aos leitores.

Ricardo Bergamini

***

----- Original Message -----
From: Marcos Coimbra
To: Marcos Oliveira
Sent: Wednesday, November 19, 2008 12:49 AM
Subject: artigo

Prezado Jornalista Marcos de Oliveira:

Abaixo, encaminho-lhe artigo sobre 'A administração Lula e os aposentados'.

Abraços amigos,

Marcos Coimbra


A ADMINISTRAÇÃO LULA E OS APOSENTADOS

Prof. Marcos Coimbra

Membro efetivo do Conselho Diretor do CEBRES, Professor aposentado de Economia na UERJ e Conselheiro da ESG.

O senador Paulo Paim (PT-RS) está lutando para corrigir uma séria injustiça cometida contra os aposentados e pensionistas, há diversas administrações, mas agudizada no presente mandato. Afinal, aposentadorias e pensões pagas pela Previdência Social poderão ter os seus valores atualizados ano a ano. A intenção é recuperar o valor do poder aquisitivo desses benefícios, de forma a garantir o mesmo número de salários mínimos que eram recebidos na data da concessão da aposentadoria ou da pensão. A proposta foi aprovada no dia 12.11.08 pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) ao adotar, em turno suplementar, substitutivo da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) ao texto original do projeto (PLS 58/03) de autoria do senador Paim.

O projeto foi votado pela CAS em decisão terminativa. De acordo com o substitutivo da CCJ acolhido pela CAS, será criado um novo parâmetro de atualização do poder de compra dos benefícios pagos a aposentados e pensionistas: é o Índice de Correção Previdenciária - ICP - resultante da divisão do salário de benefício (a aposentadoria) pelo menor salário de benefício pago pelo Regime Geral da Previdência Social. Segundo o texto aprovado, na data da aposentadoria, cada segurado passará a ter um ICP individual, a ser usado para cálculo dos reajustes por toda a vida.

Contudo, a bancada governista é contra, afirmando que não há recursos suficientes. Ora, a atual administração Lula está preocupada em mostrar serviço aos “donos do mundo, demonstrando que vai continuar pagando cerca de R$ 160 bilhões de juros ao ano, em função da dívida interna, além de mais de US$ 7 bilhões também de juros ao ano, decorrente da dívida externa. Para isto, procura tirar recursos de todos os lados para atender às imposições dos rentistas nacionais e internacionais, remunerados com a maior taxa real de juros no mundo.

Um exemplo disto é a idéia fixa desta administração em extorquir os aposentados, em especial os servidores públicos, civis e militares. Na reforma da previdência aprovada, sob a alegação de que as contribuições do funcionalismo público federal ativo são inferiores ao despendido para pagamento dos aposentados, a administração Lula conseguiu o absurdo de taxar os aposentados de modo escorchante. Ora, numa época de estipêndios congelados, porém de custo de vida crescente, nele incluídos os impostos majorados (sempre em UFIR`s e outras) de toda ordem, tal ato é uma violência inaudita.

Na primeira investida contra o bolso dos servidores, principalmente dos aposentados, a administração anterior de FHC só não obteve sucesso, graças à decisão da Justiça que impediu o saciar do apetite da goela escancarada dos carrascos. Valendo-se do direito da força, os atuais dirigentes do país conseguiram modificar a Constituição, aquela mesma que juraram defender.

Agora, procuram negar aos aposentados e pensionistas pelo INSS o direito líquido e certo de manutenção do valor de seus benefícios, em contrapartida às contribuições feitas durante todo seu período de trabalho. Muitos cidadãos chegaram a contribuir sobre 20 salários mínimos e hoje ganham de benefício pouco mais de R$ 1.000,00 mensais. Isto porque os benefícios não estão sendo corrigidos da mesma forma que o reajuste do salário mínimo. Desta forma, a tendência é que, em futuro não remoto, todos passem a receber pouco mais de um salário mínimo. E o argumento de que a Seguridade Social é deficitária é falso. Já foi demonstrada várias vezes, inclusive neste espaço, que ela é altamente superavitária, considerando-se a Constituição em vigor que disciplina as fontes de arrecadação da Seguridade Social (Cofins, CSLL etc.).

Aposentadoria é instituto universal para permitir que o trabalhador possa viver condignamente o final da vida, quando lhe falecem as forças para o trabalho. O então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) foi enfático, ao declarar ao jornal 'O Povo', de Fortaleza: 'O que posso dizer em tese, é que o Congresso pode elaborar as emendas que desejar. Só que elas terão que respeitar direitos e garantias individuais, que constituem cláusula pétrea. Vale dizer, constituem matéria que o poder constituinte derivado, instituído ou de emenda, não pode alterar (art. 60,§ 4o, VI), ou seja emenda constitucional não pode prejudicar direitos e garantias individuais, entre eles o direito adquirido (art. 5°, XXXVI). E o artigo 60,§ 4o, IV, é taxativo:' não será objeto de deliberação a proposta de emenda (constitucional) tendente a abolir: os direitos e garantias individuais '.

Se o Tesouro Nacional passa por dificuldades de caixa, muito se deve aos desmandos do passado, quando as sucessivas administrações acabaram com as reservas acumuladas durante dezenas de anos, fruto das contribuições dos trabalhadores, desviadas para outros fins. Também nunca, ao longo dos tempos, cumpriram sua obrigação de pagar sua parcela de contribuição. Somando-se a tudo isto o descalabro dos Estados da Federação, encalacrados em parte com a folha de pagamento a 'marajás', cuja fatura acaba sendo paga pela União, além da corrupção reinante, em quase todas as atividades, não é difícil descobrir as causas da atual situação. Além disto, com cerca de 40 ministérios e dezenas de milhares de comissionados nomeados, não há como afirmar que não existem recursos.

Os indefesos aposentados vivem dias de inquietude pelo que ainda possa vir. Já falcatruas contra a previdência que se transformaram em fortunas amealhadas e localizadas, são tratadas no ritmo da lerdeza burocrática, quando não postergadas. Por que o esforço principal em cima de aposentados com parcos salários, deixando de lado os titulares de régias aposentadorias que pululam por cima de 'leis legais', outorgadas em conchavos legislativos? Transformar o aposentado em vilão da economia é atestar a própria incapacidade na solução de um problema que atinge a sociedade como um todo.

A solução principia pela escolha em 2010, por parte dos eleitores, de candidatos que não pertençam ao sistema corrompido que aí está, procurando nomes alternativos, capazes de defender os ideais de um país soberano, com justiça e paz social, e de lutar para eliminar a corrupção endêmica que agride a Nação, em todos os níveis de administração.

Correio eletrônico: mcoimbra@antares.com.br

Sítio: www.brasilsoberano.com.br

(Artigo elaborado em 18.11.08 para o MM).


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 491Exibido 430 vezesFale com o autor