Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
58 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59135 )

Cartas ( 21236)

Contos (13102)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46519)

Humor (19281)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Textos_Jurídicos-->Judiciário: orçamento e eficiência, de Ricardo Barreto -- 11/01/2013 - 07:27 (Michel Pinheiro) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. Judiciário: orçamento e eficiência

"Foram aprovados para a Justiça Estadual R$ 683 milhões, de um total requerido de R$ 812 milhões"


Publicado no jornal O POVO de 11 de janeiro de 2013


Desde 2011, o Tribunal de Justiça do Ceará passou a elaborar seu orçamento através de uma comissão composta de representantes de suas unidades administrativas e judiciárias, além de serventuários e magistrados indicados pelas correspondentes categorias. Para 2013 o grupo aprovou matérias que vão da construção de novos fóruns ao provimento de cargos para magistrados.
 
Apesar dos esforços, o corte imposto ao orçamento do Judiciário pela Assembleia Legislativa infligiu enormes perdas, inclusive no âmbito da dignidade institucional.

O orçamento geral do Estado para 2013 é de R$ 19,5 bilhões. Deste total foram aprovados para a Justiça Estadual R$ 683 milhões, 3,49% do orçamento geral, de um total requerido de R$ 812 milhões. Foram excluídos, portanto, R$ 129 milhões do orçamento originalmente encaminhado pelo TJ e que obedecia ao limite prudencial de 5,7% previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal.

Em 2012, o valor aprovado para o Judiciário foi de R$ 528 milhões, sendo suplementado ao longo do ano em R$ 90 milhões, depois de um corte inicial de R$ 127 milhões. À primeira vista pode parecer que não houve demasiado prejuízo. Ocorre que o valor utilizado para calcular o orçamento do ano seguinte é destituído da suplementação que se somou ao valor inicial, importando em desvirtuamento da realidade. Eis que sem essa suplementação mensal inviabiliza-se a manutenção da estrutura administrativa.

Dai, pergunto: Estamos assumindo a postura institucional adequada diante dessa situação? Ao encaminhar-se a proposta de orçamento destituída de qualquer acompanhamento e negociação junto aos outros poderes, não estaria o Judiciário sinalizando fraqueza e despreparo na condução de seu destino? Aceitar a política de suplementação de receitas, imposta ano a ano, não é submeter-se e comprometer a autonomia do poder? A resposta a estes questionamentos passa pela proposta de eleição direta para os cargos de direção de nossos Tribunais.

A postura assumida pela ACM e pelas lideranças de servidores durante as discussões para a aprovação do orçamento, reunindo-se com deputados, promovendo audiência pública e acompanhando a votação, aponta na direção de uma quebra da cultura de apatia e inabilidade de nossos administradores frente aos representantes do Executivo e do Legislativo.

Que o Judiciário não abdique de sua condição de Poder da República, abrindo mão da independência e autonomia, fundamentos constitucionais sobre os quais se assenta a democracia brasileira.
 
Ricardo de Araújo Barreto
presidente@acmag.org.br
Presidente da Associação Cearense de Magistrados



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui