Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
116 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57774 )
Cartas ( 21192)
Contos (12698)
Cordel (10211)
Crônicas (22323)
Discursos (3143)
Ensaios - (9127)
Erótico (13427)
Frases (44588)
Humor (18711)
Infantil (3976)
Infanto Juvenil (2916)
Letras de Música (5481)
Peça de Teatro (1321)
Poesias (138422)
Redação (2956)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2413)
Textos Jurídicos (1930)
Textos Religiosos/Sermões (5044)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->27º CONGRESSO NACIONAL DE VIOLEIROS -- 28/10/2003 - 12:32 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
27º CONGRESSO NACIONAL DE VIOLEIROS
Campina Grande – PB, em 24, 25 e 26/10/2003
Presente a Academia Brasileira de Literatura de Cordel – ABLC (*)

Texto de José de Sousa Dantas, em 28/10/2003

Em Campina Grande houve
o CONGRESSO NACIONAL
de violeiros famosos,
com seu estro genial,
cantando de improviso,
alegrando o pessoal.

Atração especial,
lá na Praça da Bandeira,
forró, xaxado, embolada,
uma mulher cantadeira,
declamação, improviso,
durante a manhã inteira.

No domingo, lá na Feira
da Prata, a grande atração,
abrilhantando o evento
com o poeta AZULÃO,
que declamou seus cordéis,
despertando a atenção.

Toda tarde reunião,
pra posse de um menestrel,
SEVERINO SERTANEJO
e seu colega MANOEL
MONTEIRO, na Academia
Brasileira de Cordel.

Recebendo o seu laurel,
cada um mais eloqüente,
com discurso admirável,
edificante e envolvente,
engrandecendo a cultura,
pela missão eminente.

Durante a noite, repente,
dos poetas cantadores,
desenvolvendo os seus versos,
para os apreciadores,
promovendo alegria,
demostrando os seus valores.

Os temas inspiradores:
“Matei a sede bebendo
na fonte da inspiração”;
“Eu passo fome e não vendo
meu boi do cultivador”;
mais setenta no adendo.

Esse trabalho tremendo,
fruto da inspiração,
está sendo compilado,
para apreciação
das pessoas que admiram
boa improvisação.

(*) A Academia Brasileira de Literatura de Cordel – ABLC, na pessoa de seu presidente, Gonçalo Ferreira e acadêmicos: Marcus Lucenna, João dos Santos (Azulão), Antônio de Araújo, Sepalo Campelo e outros empossaram, nesse ínterim, os poetas cordelistas paraibanos: MANOEL MONTEIRO e LUIZ NUNES (Severino Sertanejo).

No discurso de posse, durante uma hora em versos, o novo acadêmico, MANOEL MONTEIRO (assumindo a cadeira nº 38, da patronímica de MANOEL TOMAZ DE ASSIS) assim se expressou, com destaque dessas belíssimas estrofes:
......................
Nunca imaginei a hora
e muito menos o dia
de que os versos singelos,
que meu estro humilde cria,
faltos de seiva e luzir
pudessem me conduzir
ao seio da Academia.

Fico pois agradecido
por haverem me incluído
e prometo comovido,
aos Acadêmicos presentes,
fazer esforços ingentes,
pra que o nosso “Romance”
gradativamente alcance
os píncaros esplendentes.

Fala-se tanto em raiz
da cultura popular,
mas para amanhã lembrar
o que o povo faz e diz,
precisa grafar com giz,
para ficar registrado,
se o quadro for apagado,
o presente é nascituro,
não pereniza o futuro,
quem não cultua o passado.

Sem nomear os ausentes,
temendo esquecer algum,
quero só destacar um
dos que aqui estão presentes,
é plantador de sementes,
que sempre tem germinado,
se aqui estou sentado,
cheguei pela sua mão:
GONÇALO FERREIRA, irmão,
por tudo, MUITO OBRIGADO !

No seu instrutivo discurso de posse, LUIZ NUNES (Severino Sertanejo), que assumia a vaga de MANOEL CAMILO DOS SANTOS, declamou estrofes do Cordel, VIAGEM A SÃO SARUÊ, daquele imortal Poeta:
.....................
Iniciei a viagem
as quatro da madrugada,
tomei o carro da brisa,
passei pela alvorada
junto do quebrar da barra
eu vi a aurora abismada.

Lá eu vi rios de leite,
barreiras de carne assada,
lagoas de mel de abelha,
atoleiros de coalhada,
açudes de vinho do porto,
montes de carne guisada.

Lá quando nasce um menino,
não dá trabalho a criar,
já é falando e já sabe
ler, escrever e contar,
salta, corre, canta e faz
tudo quanto se mandar.

É um lugar magnífico,
onde eu passei muitos dias,
bem satisfeito e gozando
prazer, saúde, alegrias,
todo esse tempo ocupei-me
em recitar POESIAS.
......................

O Presidente da ABLC, Gonçalo Ferreira, cearense de IPU, autor de vários livros e folhetos da cultura popular, durante seus discursos, ressaltou os exemplos dos gênios da história, com essa estrofe de sua autoria:

Grécia – eterno celeiro,
tornada celebridade,
suprema constelação,
cuja luminosidade
faz florescer para o mundo
os gênios da humanidade.

Com relação aos versos de improviso, estão sendo selecionados para inclusão, o mais breve, no site, www.usinadeletras.com.br, no espaço CORDEL

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 69Exibido 1280 vezesFale com o autor