Usina de Letras
Usina de Letras
46 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62410 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22546)

Discursos (3240)

Ensaios - (10450)

Erótico (13578)

Frases (50803)

Humor (20074)

Infantil (5487)

Infanto Juvenil (4811)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1377)

Poesias (140872)

Redação (3320)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6235)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Erotico-->INverno -- 06/01/2003 - 00:17 (Amaso Nib Nedal) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Sou a sombra do inverno...
Sou aquele que te molha
e prepara-te para o outono...
somente rego-te, minha infante planta.

Vou atrás, deVeras em atraso,
bem depois do outono e te antecedo, primavera...
reve-lo teus mistérios e medo
na tempestade viva do verão feminino...

Sou o reflexo no espelho d água
sou o macho maduro que te desbrava
ó embriaga Estação com nome de mulher...
Apago teu fogo no meu precipitar,
talvez no ejacular arrimado dos meus versos,
em chuva de verão...

Sou o antônimo do outono
e o sinônimo do prazer,
aquele louco bem querer,
que de seduz e induz a contar estrelas
mesmo que elas não estejam no céu...

Sou o cinza do céu,
a neve que escreve em cores escuras,
tuas loucas travessuras a céu aberto...
Sou a geada que come e seca folhas,
não sou o Outono, mas também sou homem,
o verme gelado que te consome...

Mas tenho o poder de guardar-te,
congelar tua flor e tua idade,
te fazer voltar à puberdade
e te comer de quatro estações
na mais louca transa rica em variações...

Sou a estação intrometida
que te esfria num canto regado a sangria
quando penetra impunemente
num beijo indecente
mas que faz com que todas queiram rolar
debaixo dos cobertores suando de horrores...
E o resto? Ah, tudo são flores e...
mando-te o sol para o abrir de botões
antes selados como minhas mãos em teus seios,
tudo porque divido-me entre os meses,
entre as diversas fêmeas estações.
confundo-te, pois só me sei ser: Inverno!?


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui