Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
18 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57389 )
Cartas ( 21182)
Contos (12609)
Cordel (10139)
Crônicas (22258)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44151)
Humor (18587)
Infantil (3849)
Infanto Juvenil (2804)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138551)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Dia de Domingo na Cidade do Tédio -- 15/03/2012 - 16:48 (Marcelo de Oliveira Souza,IWA Instagram:marceloescritor) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Dia de domingo na cidade do tédio





Num dia de domingo chuvoso, pela manhã, o tédio se instala em plena metrópole baiana, assim que percebemos que a nossa cidade está muito atrasada, deitada no berço esplêndido da fama.

Para quem tem criança pequena a dificuldade aumenta, os parques públicos são poucos e os que existem como o Parque da Cidade, na Pituba, a insegurança é grande, não adianta ficar olhando um monte de policiais parados na frente do local, pois o parque não é só a frente, ninguém se aventura em passar da zona fronteiriça de segurança, com isso as pessoas se amontoam somente na parte frontal do lugar, ali tem que caber todo mundo, ficam todos juntinhos, como num grande piquenique, só que para comer alguma coisa está difícil, pois a fedentina do “estábulo” é muito grande, na frente do posto policial agora é zona de potros brincarem como numa bucólica fazenda, a ponto de atropelar as pessoas.

O estacionamento deixou de ser público, agora é privativo dos “flanelinhas” que dominam e extorquem na cara dura, ali diante dos policiais, os tais homens de flanela ainda incentivam os motoristas a tomarem a pista de rolamento, e quem tenta sair, fica impossibilitado, pois a Transalvador, é somente o “sistema automático” de multas, porque viatura tem, mas ninguém se arvora para orientar o transito do local.

Assim como a desorganização do parque é constante, o resto da cidade vive dias de tristeza e de tédio, sem opções de lazer, as pessoas que se arvorem a passar o dia de domingo num parque, tem que rezar para não chover e para ter transporte, depois tentar procurar um lugar nessa cidade que seja seguro, limpo e acessível, é a nossa cidade que sumiu em meios aos buracos, assaltos e escombros.





Marcelo de Oliveira Souza

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui