Usina de Letras
Usina de Letras
111 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62161 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10449)

Cronicas (22530)

Discursos (3238)

Ensaios - (10347)

Erótico (13567)

Frases (50573)

Humor (20027)

Infantil (5422)

Infanto Juvenil (4752)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140790)

Redação (3302)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1959)

Textos Religiosos/Sermões (6182)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Contação de histórias num abrigo de senhoras -- 01/07/2011 - 18:30 (Alzira Chagas Carpigiani) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos


 



A princípio, em virtude da minha formação de educadora, eu planejava trabalhar somente com crianças e adolescentes. O curso de contação de história, a pós-graduação em Psicopedagogia e o curso de Psicodrama também foram acrescentados à minha vida em função desse público-alvo. No entanto, o Abrigo Pentecostes propôs para mim uma nova possibilidade.



Na verdade, por ora, eu tenho bem pouco a compartilhar dessa nova experiência, que é praticamente uma recém-nascida. Mas como "toda grande jornada começa sempre com um primeiro passo", então, está tudo bem, afinal o nosso primeiro e importante passo já foi dado.



Senhoras passageiras, tomem seus lugares, ativem os sentidos e liberem a fantasia, porque a nossa viagem ao mundo dos contos de tradição oral já começou. 



Meu trabalho com as senhoras do Abrigo Pentecostes, no bairro de Vila Sônia, em São Paulo-SP, começou no dia 10 de junho de 2011.



 



Relatório do primeiro dia de atividade: 10 de junho de 2011 (Horário: de 10 às 11 horas)



Senhoras:



Maria Silvestre



Dolores



Valdete



Maria José (Zezé)



Maria Rosa



Pérola



Ascensão



Enfermeira: Vanda



HistóriasAs Três Romãs; O Saco Encantado; A Inveja do Vizir; O Príncipe Adil.



As reações dessas mulheres, ao ouvirem as histórias contadas, variavam. Umas ficavam pensativas olhando para o chão, outras sorriam, algumas dormiam e outras não tiravam os olhos de mim. Os comentários vieram no final, coisas como "que lindo!"; "como você faz para decorar histórias desse tamanho?"; "você vai voltar?"; "você vai contar mais histórias para nós, não é?". Incrivelmente, eu percebi que esses comentários não eram muito diferentes daqueles que eu ouvia no passado quando contava histórias em pré-escolas ou em escolas do ensino fundamental. É isso que encanta no mundo do faz-de-conta, a magia é sempre a mesma não importa qual seja a idade do ouvinte.



A partir de hoje, pretendo usar esse espaço para compartilhar essa experiência com vocês. Grande abraço e até breve!


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui