Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
51 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59156 )

Cartas ( 21237)

Contos (13110)

Cordel (10292)

Crônicas (22201)

Discursos (3164)

Ensaios - (9445)

Erótico (13482)

Frases (46558)

Humor (19288)

Infantil (4464)

Infanto Juvenil (3737)

Letras de Música (5480)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138285)

Redação (3057)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5536)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Dia de egoísmo e privacidade -- 10/02/2002 - 00:06 (Vânia Moreira Diniz) Siga o Autor Outros Textos
.

Enquanto teclo, trazendo meus sentimentos para o mundo real, considerando as emoções, pensando no irremediável, sofrendo com as vicissitudes, lamentando os ideais frustrados, e pedindo que apesar de tudo, ainda hoje consiga vibrar com as alegrias tantas e tão presentes, eu me volto para mim mesma.

Lamento esse momento de egoísmo em que tenho que me ouvir, sentir ou chorar; lamento a memória que me faz lembrar do sofrimento de alguém que amo, criança e inocente e que está passando ou cumprindo uma árdua missão. Lamento!

Vejo-a, olhos azuis e profundos sempre distantes, nariz perfeito, pele suave e rosada e cabelos lisos e bastos. Sinto-a com sua ausência de uma realidade que não pode atingir, e me pergunto por que? Contemplo-a na distância de seus pensamentos e na sensibilidade aguda e inexplorada. Enxergo o futuro, sem, no entanto me deter em imagens ou situações, visualizando apenas o que de profundo ocorrerá em seus devaneios cuja proporção, não podemos avaliar.

Sinto-me egoísta, pensando nesse sofrimento e me arredando sem “me dar” antes do início de uma solidão que preciso.Sinto-me individualista, ao deixar que as lágrimas desçam, mas sem me voltar para um mundo que está prestes a explodir em misérias, dor , guerras , violências, incompreensões e maldades. Devo prosseguir mesmo que meu íntimo me peça para ficar. Devo continuar mesmo que precise dessa nostalgia passageira. Devo esquecer os meus males ainda que a angústia esteja palpitante e caminhar para tanta gente que estende a mão procurando apoio, segurança, fortaleza ou simplesmente outra mão confortadora e quente.

Hoje , talvez seja o meu dia de egoísmo, de concentração , girando em volta da minha própria luz que por vezes parece embaçada em momentos de reflexões profundas.

O dia de liberdade de poder esquecer as misérias humanas e me voltar para mim mesma num gesto estranho e inusitado.

O dia em que peço a privacidade envolta numa doçura que sempre conheci, e que me faz lembrar a pequena e tão querida Júlia.

Hoje é meu dia de meditação intensa em que me permito esquecer, rir e chorar, amar ou ficar indiferente, mas sempre conquistando a força que me levará a caminhos contrastantes. E então retroceder restaurada para abraçar o universo que distante me ilumina, alcançando o horizonte que vislumbro ainda inebriada.

Hoje sim. É meu dia de privacidade...

escritora@vaniadiniz.pro.br

www.vaniadiniz.pro.br











`

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui