Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
90 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57526 )
Cartas ( 21184)
Contos (12609)
Cordel (10183)
Crônicas (22286)
Discursos (3141)
Ensaios - (9091)
Erótico (13416)
Frases (44301)
Humor (18624)
Infantil (3908)
Infanto Juvenil (2855)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138253)
Redação (2947)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4988)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Hora de votar e sonhar! -- 17/07/2010 - 00:00 (Marcelo de Oliveira Souza,IWA Instagram:marceloescritor) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Hora de votar e sonhar!



Analisando friamente, perguntamos sobre a real função da democracia no Brasil, vivenciamos a pegadinha de um sonhador com seu título na mão, valioso sim, mas muito manipulado.

Chegando a eleição, os candidatos aparecem como flores brotando na primavera; aos poucos as propagandas vão modificando o visual da cidade, os carros não ficam atrás, aparecem propagandas de tudo quanto é lado: bicicletas, camisas, televisão, jornal e até INTERNET!

As promessas começam, o sonhador deixa de ser “ligador,” não liga mais para pedir, deixando de reclamar dos atuais mandatários desse nosso país, cidade ou estado.

Os candidatos aparecem, prometem ironizam o adversário, fazem coligações; investem em suas campanhas, chegam até debater em segmentos da imprensa, grande aliada nesse momento, contudo os apresentadores não podem em tese, opinar por nenhum deles; podendo assim, dar uma cor amarronzada à valorosa instituição, cujos alicerce são os pilares da democracia.

A caminhada do voto começa, os sonhadores capricham no voto, brigam por seus candidatos, muitos chegam até as vias de fato.

Uns ganham e outros perdem, Câmara ou Senado, todos têm o seu lugarzinho acolchoado, os perdedores” não ficam desamparados, voltam para o partido para repartir o “bolo” com o vencedor, sendo um assessor, secretário ou até ministro.

Saindo de uma batalha como ruim, mas permeando as colunas do poder, com um cargo, que muitas vezes foi criado exclusivamente para ele, em troca de apoio de algum partido.

A democracia brilha salta aos olhos do humilde, que sem saber de nada ainda é obrigado a votar, voltando a sonhar que tem voz, paparicado por um tempo mínimo, algumas vezes cometendo desatinos de venda de voto, trocado por bobagens.

Partidos grandes e pequenos, brigando para repartir o poder, prometendo tudo que puder, pois as gastanças desiguais independentemente de tudo têm resultados, com vencedores e perdedores, rivais numa época e aliados em outras, no final de toda essa peleja quem sobra mesmo é o sonhador do voto na mão.





Marcelo de Oliveira Souza

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui