Usina de Letras
Usina de Letras
18 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61949 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10255)

Erótico (13559)

Frases (50353)

Humor (19993)

Infantil (5388)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140710)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
cronicas-->Via crucis -- 05/06/2000 - 23:05 (Amélia Alves) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Em verdade vos digo do cristo ao qual nos damos apenas como cordeiros semi-mortos, diante de violentações tantas ao deus-maior de nós mesmos, em autêntico ato de imolação, e sangue.
Desse mesmo ato de sangue que nos lava o caminho, brotamos purificados no cristo, em cristo, pelo cristo que nasce-morre-ressuscita minuto a minuto, pois, cada páscoa nada mais é que várias.
Porque qualquer tempo se concretiza em decepções ou crenças, ressurreições após mortes gradativas, suscitadas por desgastes e corrosões repentinas.
Toda morte não é uma morte, porém, espécie de transcendência que se desenrola por caminhos cruzados, com perspectiva de retorno sem dia certo, mas definitivo.
Decerto uma encruzilhada se diversifica em continuações a serem devastadas com mãos vazias, condizentes com puros prpósitos deentrega e rosto doado ao beijo traiçoeiro do judas.
Por simples atos de amor, caminhamos carregados de cruzes, despreparados da força do cristo que nascerá ao certo, para morrer e renascer depois pleno de essências, sem chance de queda, porém, caído pela multidão de distàncias entre alturas diversas.
Sabemos, então, de cruzes, senão da cruz maior que é ser a própria existência, e nos crucificamos quando não nos crucificam, na certeza de que, por certas noções de ressurreição ainda caminham as gentes, pouco e pouco, em meio a passos de fé, e cada rastro é vitória sobre as mortes, mesmo porque existimos integros, purificados, braços abertos ante a vida.








Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui