Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
116 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57086 )
Cartas ( 21170)
Contos (12604)
Cordel (10090)
Crônicas (22208)
Discursos (3136)
Ensaios - (9013)
Erótico (13400)
Frases (43722)
Humor (18474)
Infantil (3784)
Infanto Juvenil (2709)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138292)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4882)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Textos_Religiosos-->O Estalo Bidiônico -- 04/07/2019 - 00:48 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O grande Espírito, o Acaso, a Ceia e o Estalo Bidiônico.

Leitura Bidiônica, segundo a fala do Espírito Bidiônico da boa nova, o Espírito Gabriel.

Jesus escolheu os 12 Apóstolos e Madalena desde o útero deles para formar a grande alma Cristo, sendo antes enviado para dar a mensagem, o Gabriel Bidiônico. O anjos, alertaram à Maria(Mãe), que haveria seu rebento ser interpretado na biodinâmica de forma cruel, dentro das leis farisaicas dos impostos a César. Haveria de dar a César, o que dele seria:”Dai a César o que é de César.” Nem mais nem menos, mas numa medida qualificadora dos costumes à época.
Pois então, Cristo ao ser indagado pela malícia de um soldado Romano numa multidão sobre os impostos, Jesus falou: “A César o que é de César e a Deus o que é de Deus.” Deixando aberto as oferendas a cada Ser Humano no desejo da formação de cada qual. Alguns optaram por render homenagem a Cesar e outros pela revolução repleta de revoltas e rebeldias no cada qual a depender da evuolução uterina provedora da vida. José Filho, nunca usou a primeira pessoa do pronome do Eu Imperial, mas mesmo assim foi culpado pelos Sarcedotes de um tempo movido a quinhões da subserviência da fé que fedia nos desejos mesquinhos humananimal.
Batista,  o mestre que trabalhou o Cristo e Madalena, a eminência parda da grande alma, contribuíram ao suporte da irmandade cristã, e trabalharam a ignorância humana. Sem esses espíritos predestinados por um momento, não haveria como trabalhar o grande Espírito na formação para a grande obra de unificação Deus, diante do Politeísmo.
A celebração da ceia, deu-se no grande útero com o corpo e o vinho. Onde o corpo, foi a hóstia e o vinho, o sangue do útero na celebração onde o útero, representou e representa o templo Divino. Deus é útero. Deus é mulher no complexo da menstruação que gerou vida. Madalena foi invejada por todos, pois era a eminência parda do Cristo. Ela o amou no tempo do templo mulher e assim, o cálice da Salvação deu vida à vida cuja morte ameaçava a irmandade em Cristo.

Palavra da Salvação!

Padre Bidião
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui