Usina de Letras
Usina de Letras
19 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61949 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10255)

Erótico (13559)

Frases (50353)

Humor (19993)

Infantil (5388)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140710)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
cronicas-->Aurora boreal -- 28/05/2000 - 22:43 (Amélia Alves) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

De noitinha, me visto de sol e durmo, brincando de me esconder do tempo, transmutando o que reconheço de mentira, desdobrando o que me vem de verdade.

Com diáfanas mãos, balanceio o equilíbrio normal do que eu não sei, aperto o seio dos sonhos, me agarro aos cabelos desorientados de um pé-de-vento qual fosse eu borboleta ansiosa.

Bebo, na falta das horas, o líquido que fabrico com mel de abelha e saudade, engulo o tempo em que me fiz e nem descubro, criança, as tramas do sol que vira, serpenteia, desnuda.

Encontro um raio que guardei com meus dedos longos que niguém sabe, com minha esperança latente que nem pensei existisse ainda.
Minha capa de ouro desdobra uma bainha de arco-íris, espalhando sentido nas dimensões maiores, encorpando um segredo em meio a cochichos ocultos, solilóquios que me saem sem fala.

Lá fora ficaram os ecos, as fumaças.
Saboreio gotas geladas,"ice-cream", e me enveneno de ser feliz aqui dentro.



Do livro "Vácuo e Paisagem"_ poesia e prosa poética.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui