Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
111 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57755 )
Cartas ( 21192)
Contos (12694)
Cordel (10206)
Crônicas (22323)
Discursos (3143)
Ensaios - (9126)
Erótico (13426)
Frases (44547)
Humor (18704)
Infantil (3971)
Infanto Juvenil (2910)
Letras de Música (5481)
Peça de Teatro (1321)
Poesias (138405)
Redação (2955)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2413)
Textos Jurídicos (1930)
Textos Religiosos/Sermões (5038)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->GRITO DE FOME -- 14/04/2003 - 09:52 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Toda casa de taipa abandonada
guarda um GRITO DE FOME dentro dela
Canto de improviso de Rogério Menezes (RM) e Raimundo Caetano (RC), em 03/12/1999

RM
Numa casa de taipa eu fui criado
sem riqueza, sem luxo e sem fartura
sem apoio, sem crédito e cobertura
pra os trabalhos humildes do roçado
mas na seca meu pai foi obrigado
levar nós e os cacos pra favela
que o governo burguês nunca deu trela
pra os escravos do cabo da enxada
Toda casa de taipa abandonada
guarda um GRITO DE FOME dentro dela
RC
Toda casa de taipa é com certeza
o retrato do caos e do dilema
da ganância por parte do sistema
que sufoca o destino da pobreza
peça fúnebre dum filme de tristeza
onde o rosto da crise se revela
ao invés de ser lar é uma cela
onde toda esperança é condenada
Toda casa de taipa abandonada
guarda um GRITO DE FOME dentro dela
RM
Numa casa de taipa no sertão
que por sorte ou azar inda tem gente
tem um cepo servindo de batente
uma cama de vara sem colchão
lenha seca cortada pra o fogão
dez caroços de fava na panela
um jumento empurrando uma cancela
e um cachorro latindo na calçada
Toda casa de taipa abandonada
guarda um GRITO DE FOME dentro dela
RC
Uma casa de taipa não conforta
e é o palco pras cenas do sufoco
onde os sonhos falecem pouco a pouco
quando nasce esperança é quase morta
quem for alto não passa pela porta
um menino não cabe na janela
e quando as duas se juntam a noite e ela
vaza luz na parede esburacada
Toda casa de taipa abandonada
guarda um GRITO DE FOME dentro dela
RM
Uma casa de taipa que o roceiro
faleceu por miséria ou abandono
o silêncio virou-se um do dono
assumindo o espaço do primeiro
e atirado no lixo do terreiro
tem correia, gibão, perneira e cela
uma cruz, um rosário e uma vela
assustando quem passa na estrada
Toda casa de taipa abandonada
guarda um GRITO DE FOME dentro dela
RC
Uma casa de taipa é a feição
da política corrupta e desigual
da profunda injustiça social
que condena o País à escravidão
faz do povo uma peça de exclusão
e os direitos humanos atropela
se existe justiça, cadê ela
se a verdade tem voz, ficou calada
Toda casa de taipa abandonada
guarda um GRITO DE FOME dentro dela
RM
Sem inverno e sem verba do planalto
muito pai campesino foi embora
e no subúrbio da rua reza e chora
onde a voz da miséria fala alto
o seu filho hoje é mestre de assalto
e sua filha que ainda era donzela
integrou-se ao elenco da novela
que transforma uma santa em viciada
Toda casa de taipa abandonada
guarda um GRITO DE FOME dentro dela
RC
Uma casa de taipa é na verdade
baixa, estreita, pequena, alagadiça
moradia dos órfãos de justiça
desprovidos de voz e liberdade
os que querem direito de igualdade
não conseguem gostar, mas vivem nela
não precisa vigia ou sentinela
que a miséria não pode ser roubada
Toda casa de taipa abandonada
guarda um GRITO DE FOME dentro dela
RM
Foi o povo do campo pras cidades
sem convite, sem casa e sem emprego
e a família ficou sem ter sossego
desprezada das vis autoridades
e ao invés de suprir necessidades
aumentar essa crise que vem nela
que a elite, opressora, rica e bela
não escuta os gemidos dos sem-nada
Toda casa de taipa abandonada
guarda um GRITO DE FOME dentro dela
RC
Uma casa de taipa é mais ou menos
o refúgio que abriga as desventuras
o celeiro que guarda as amarguras
e sufocando os desejos dos pequenos
onde os rostos são pálidos e serenos
como quem não tem chance, mas apela
a “magrenha” exibida na costela,
a barriga vazia e a mão sem nada.
Toda casa de taipa abandonada
guarda um GRITO DE FOME dentro dela.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 68Exibido 2461 vezesFale com o autor