Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
141 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57774 )
Cartas ( 21192)
Contos (12698)
Cordel (10211)
Crônicas (22323)
Discursos (3143)
Ensaios - (9127)
Erótico (13427)
Frases (44588)
Humor (18711)
Infantil (3976)
Infanto Juvenil (2916)
Letras de Música (5481)
Peça de Teatro (1321)
Poesias (138422)
Redação (2956)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2413)
Textos Jurídicos (1930)
Textos Religiosos/Sermões (5044)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->CANTO DE IMPROVISO -- 08/04/2003 - 17:18 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
CANTORIA NO RESTAURANTE MIRALHA
João Pessoa-PB, em 6/4/2003

Foi com dor no coração que eu deixei o meu lugar
Mote de Rubênio Marcelo, a pedido Dantas
Geraldo Amâncio cantando de improviso

Não voltei pra minha aldeia,
já faz tempo que eu não vejo
meu primeiro realejo,
e a minha bola de meia;
brincar de toca na areia
nunca mais pude brincar
também não fui mais puxar
na porteira do pião.
Foi com dor no coração
que eu deixei o meu lugar.

Minha mãe cortou a fala,
quando eu disse: eu vou partir,
porém antes de eu sair,
botou a roupa na mala,
depois veio até a sala,
só para poder rezar;
para Deus me acompanhar,
ela fez uma oração.
Foi com dor no coração
que eu deixei o meu lugar.

Minha terra de IRACEMA,
eu deixei um certo dia,
pra viver de cantoria
e papai disse, sem problema,
treine para cantar tema,
desafio e beira-mar,
se um cantador lhe açoitar.
abandone a profissão.
Foi com dor no coração
que eu deixei o meu lugar.

Eu deixei o meu jardim,
minha primeira morada,
mas arranjei namorada,
filho solteiro é assim,
mãe esperava por mim,
pensava de eu regressar,
filho depois de casar,
não volta pra casa não.
Foi com dor no coração
que eu deixei o meu lugar.

QUADRÃO PERGUNTADO
Geraldo Amâncio e Moacir Laurentino, em 6/4/2003

ML Repentista só se afina
GA cantando pra quem entende,
ML e a rima no verso ascende,
GA pra RUBÊNIO gente fina,
ML qu’essa turma nordestina,
GA que deixou o seu rincão
ML que aqui tomou posição,
GA padece distanciado,
Isso é quadrão perguntado
isso é responder quadrão.

GA RUBÊNIO MARCELO mora
ML num lugar meio distante,
GA Campo Grande é importante,
ML sem Fortaleza e Aurora,
GA do Ceará foi embora,
ML só tem a recordação,
GA que um filho longe do chão
ML é mesmo que estar amarado.
isso é quadrão perguntado
isso é responder quadrão.

GA DANTAS manda esse presente
ML pra o amigo na distância,
GA um presente de importância,
ML o presente é de repente
GA é da viola da gente
ML mas o som, da gravação
GA do íntimo do coração
ML RUBÊNIO volte apressado
Isso é quadrão perguntado
isso é responder quadrão.

ML RUBÊNIO lembra daqui
GA e nós mandamos um abraço
ML da vida o repente eu faço,
GA de DANTAS, de mim de ti
ML incumbência eu recebi
GA de todos que aqui estão
ML da gente os repentes vão
GA dizendo muito obrigado.
Isso é quadrão perguntado
isso é responder quadrão.

Só na velha guarda eu vejo cantoria original
Geraldo Amâncio cantando de improviso

Repentista verdadeiro
foi Louro do Pajeú,
o nosso Manuel Xudu
e o Rei Pinto do Monteiro,
que cantava o mundo inteiro,
esse era especial,
um França e um Juvenal,
no certame ou no gracejo.
Só na velha guarda eu vejo
cantoria original

Repentista nordestino
tem que ter boa garganta
para cantar o que canta
o Moacir Laurentino,
pra falar do peregrino
numa refeição frugal,
mas essa turma atual
não possui esse traquejo.
Só na velha guarda eu vejo
cantoria original

A seca passou distante do roçado do sertão
Canta o repentista Geraldo Amâncio,
Mote de Ramalho

A ciência sem ter classe
disse a seca é um espinho,
que o motivo é o EL NIÑO
e pediu que ninguém plantasse
porque se plantar não nasce
que vai ser grande o verão
quando eu ouvi o carão
recitar: meu povo plante!
A seca passou distante
do roçado do sertão

De gente desanimada,
escutava todo dia
que a ciência dizia
que não ia chover nada
com a terra esturricada
ia ser assombração
só Deus garante o feijão
a ciência não garante
A seca passou distante
do roçado do sertão

Foi com meu papai, primeiro
que eu aprendi afinal
sobre as 6 pedras de sal
isso é muito verdadeiro,
no dia um de janeiro
quando eu vi um torreão
plantei semente no chão
me animei dali por diante
A seca passou distante
do roçado do sertão

Tendo chuva, tudo cria
tou feliz com meu roçado
meu “baxi” tá alagado
a roça tem garantia
tem maxixe e melancia
já tem “bagem” de feijão
meu Deus que satisfação
ou que paisagem importante.
A seca passou distante
do roçado do sertão.

O tempo passou depressa, fui feliz e não sabia
Geraldo Amâncio cantando de improviso

Eu corria atrás de cobre
só por ter necessidade
mas a minha mocidade
pra mim foi um tempo nobre
eu era muito mais pobre,
mas tinha mais alegria
essa minha nostalgia
não tem ciência que meça
O tempo passou depressa,
fui feliz e não sabia

Com a alma corrompida
dos sopapos da saudade,
57 de idade,
e a matéria dolorida
eu sei que em outra vida
como afirma a profecia
só não sei qual é o dia
eu quero aproveitar essa
O tempo passou depressa,
fui feliz e não sabia

Minha aurora foi embora
é isso que desanima
o crepúsculo se aproxima
minha noite se apavora
mocidade foi embora
nessa minha poesia
nossa vida é como dia
só é bom quando começa.
O tempo passou depressa,
fui feliz e não sabia

Eu disse pra o Criador
se eu for um bom repentista
em todo ponto de vista
pago promessa ao Senhor
mas nunca fui rezador
esqueci da romaria
enganei Cristo e Maria
e nunca paguei a promessa
O tempo passou depressa,
fui feliz e não sabia

Verso só pega na veia com rima e com oração
Geraldo Amâncio e Moacir Laurentino cantando de improviso, Mote de Almir Alves, a pedido de Dantas

MOACIR LAURENTINO
O verso só vai com calma
que do pensamento espoca,
da mente vem para a boca
e da boca volta pra alma
o coração se espalma
devido à inspiração
recebendo a transmissão
de quem não se aperreia
Verso só pega na veia
com rima e com oração

GERALDO AMÂNCIO
Cantador pra me agradar
pois tem que ser altaneiro
de improviso ligeiro
num galope a beira-mar
ou então vou escutar
Gonzaga, Rei do Baião
que esse tem tradição
e é mais bonita a colcheia
Verso só pega na veia
com rima e com oração

MOACIR LAURENTINO
Não conheço idéia rica
de poeta criador
mas se for bom cantador
ele não desmetrifica
canta rama e oiticica
uma planta do sertão
a flor branca do algodão
em redor da minha aldeia
Verso só pega na veia
com rima e com oração

GERALDO AMÂNCIO
Minha cantiga é matuta
alma cheia de saudade
falando em propriedade
com vontade absoluta
quiabo botando fruta
milho botando pendão
feijão se estira no chão
que chega enfeita a areia
Verso só pega na veia
com rima e com oração

MOACIR LAURENTINO
O cantar do passarinho
é que o cantador se inspira
do talo da macambira
da ponte fina do espinho,
logo de manhã cedinho
quando se avista o clarão
e o bico dum gavião
matando a ninhada alheia
Verso só pega na veia
com rima e com oração

GERALDO AMÂNCIO
Cantador que o povo adora
nunca canta decorado
que ele vem do roçado
daquele tempo de outrora
se ele não fizer na hora
abandone a profissão
deve voltar pra o sertão
pra plantar roça de meia
Verso só pega na veia
com rima e com oração

MOACIR LAURENTINO
A poesia bem cantada
não é só vocabulário
é caboré solitário,
cantando de madrugada,
pra solidão da chapada
num meio da solidão
vive espiando o clarão
dos raios da lua cheia
Verso só pega na veia
com rima e com oração.

Sou casado e vivo bem,
mas gosto dum pé quebrado
Geraldo Amâncio cantando de improviso,
Mote de Ramalho

Ramalho me disse agora,
o namoro não me atrasa
que eu tenho mulher em casa,
mas não esqueço a de fora
só é feliz quem namora;
quem me chama amancebado
aí fico revoltado,
igual a Saddam Russein
Sou casado e vivo bem,
mas gosto dum pé quebrado

Apesar de ser marido,
mas gosto da namorada,
que é por mim apaixonada
nosso amor é escondido
tudo tem acontecido
eu permaneço calado
tenho segredo guardado
ela não conta a ninguém
Sou casado e vivo bem,
mas gosto dum pé quebrado

Ela tem sido fiel
cumprindo as juras na hora,
eu lhe espero sem demora,
que ela cumpre o seu papel,
tanto faz ser num bordel
como já tenho esperado,
lá na sua ou no mercado
quando eu espero, ela vem
Sou casado e vivo bem,
mas gosto dum pé quebrado

Eu tenho a paixão febril
pode falar se quiseres
não tem quem conte as mulheres
que sobram nesse Brasil
o Salomão tinha mil
naquele tempo passado
ele era um Rei folgado
se eu pudesse tinha cem
Sou casado e vivo bem,
mas gosto dum pé quebrado

A VOLTA DE UM CANTADOR
Severino Feitosa e Moacir Laurentino
cantando de improviso

SF
Eu deixei de ser menino
tive outra agilidade
procurei o meu caminho
de muita felicidade
mas acumulei no tempo
mais de um milhão de saudade

ML
Partiu por necessidade
me lembro do dia e hora
e o lugar onde nasceu
de onde morou outrora
mas cada um tem direito
de caçar sua melhora

SF
Tristeza não me intimida
sempre se abre um caminho
e aonde o povo estiver
quero cantar com o meu pinho
que quem tem muitos amigos
na vida não está sozinho

SF
Inda tenho a mesma fé
com o erro não me espanto
se tiver quem me escute
uma noite ainda canto
se cem por cento não sou
mas uns 70 eu garanto

ML
Você é do mesmo tanto
bem melhor que Moacir
pra quem sabe apreciar
sabe sentir e ouvir
e quem vive entristecido
tem a noite pra sorrir

ML
O que ouvi, você tem
pois é o que eu armazeno
sua planta ainda é firme
é extenso o seu terreno
porque de uma grandeza
não nasce um gesto pequeno

SF
Eu sempre me sinto ameno,
sem nenhuma interferência,
de tudo que sou na terra
agradeço a providência
nesses trabalhos que faço
que não me falta audiência

FINALIZANDO
Geraldo Amâncio cantando de improviso em 6/4/2003

Muito obrigado Feitosa
e todo paraibano
DANTAS, meu grande poeta
JATOBÁ e CIPRIANO
eu tomara que regresse
daqui pra o final do ano

Eu vou pra o Ceará quente
minha terra Alencarina
do espetáculo dos versos
vamos baixar a cortina
duas violas se trajam
dois repentistas viajam
e cantoria termina

Agradecemos nós dois
a platéia de nobreza
você vai para CAMPINA
que eu parto pra FORTALEZA
cada um pra seus estados
os dois sabiás criados
nos palcos da natureza

ADEUS ATÉ OUTRO DIA
Geraldo Amâncio e Moacir Laurentino
cantando de improviso em 6/4/2003

GA
Como espetáculo circense
tem trapézio e tem de tudo
cantoria tem estudo
tem cantador cearense,
inspiração em suspense
pra platéia que aprecia
terminando a cantoria
pra o povo da vizinhança
faço o pedido de França
Adeus até outro dia

ML
A água, o mar e o sol
o crustáceo na areia,
o índio lá na aldeia,
que é muito natural
a festa está no final
cantar ainda eu queria
os versos com melodia
das nossas duas gargantas
obrigado a JOSÉ DANTAS
Adeus até outro dia

GA
Obrigado minha gente
muito obrigado meu povo
querendo eu volto de novo
pra cantar nesse ambiente
trazendo esse meu repente
com voz, som e melodia
terminou a cantoria
e eu faço o último improviso
fecho a porta do juízo
Adeus até outro dia.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 69Exibido 2430 vezesFale com o autor