Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
111 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57371 )
Cartas ( 21181)
Contos (12603)
Cordel (10136)
Crônicas (22254)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44126)
Humor (18583)
Infantil (3845)
Infanto Juvenil (2801)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138538)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Esperando o carnaval -- 17/02/2009 - 21:15 (Marcelo de Oliveira Souza,IWA Instagram:marceloescritor) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Esperando o carnaval







As festas de final de ano passaram rapidamente, o ano vindouro veio com toda a força, cheio de esperanças e expectativas.

Agora vem com tudo o carnaval, todos à procura do seu “abadá” e camarote, as propagandas “pipocam” cada vez mais para atrair os turistas à festa momesca; corpos suados, alegres, molhados; o apelo sexual campeia, pois essa festa é a que mais separa casal.

Todo esse estereótipo que passa na televisão, sendo distribuído para todos os confins do mundo, encanta a todos, e cada ano vem mais pessoas se “divertir” no maior e mais participativo carnaval do mundo, assim diziam há décadas e insistem em reafirmar o que já caiu por terra.

Como ser o carnaval mais popular do mundo, onde as classes são evidentemente separadas ?

Os camarotes crescem cada vez mais, muito luxuosos, tem todo tipo de conforto, assim como os blocos de trio, com suas enormes máquinas de fazer alegria ( e muita tristeza para os tímpanos) dominam todo o ambiente, restando pouco para o folião de menor poder aquisitivo.

A cidade de Salvador, não tem mais estrutura viária suficiente para administrar o nosso trânsito caótico, no carnaval isso piora, os transportes rodam vinte e quatro horas por dia, mesmo assim, é no final da tarde que tudo se complica, saem super-lotados e não conseguem pegar quase nenhum passageiro durante o percurso, no retorno, de madrugada, o de pior acontece, muito corre-corre, gente entrando pelas janelas, agressões físicas para ingressar no veículo, até arrastão acontece enquanto “viajam” no ônibus do horror.

O circuito do centro da cidade, é um verdadeiro martírio, cada vez mais cheio, não dá para ver quase nada.

O carnaval de Salvador, agora é tido como administrado de uma forma profissional, pois o que não falta é propaganda, contudo essa festa já deixou de ser popular, os espaços públicos diminuem ao passo que a população aumenta, a violência do cotidiano também e isso nenhuma rede nacional vai mostrar na televisão, onde quem pode pagar se diverte muito e quem não pode, ou está trabalhando ou sendo empurrado em qualquer canto infecto de urina.





Marcelo de Oliveira Souza







Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui