Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
88 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57115 )
Cartas ( 21170)
Contos (12599)
Cordel (10093)
Crônicas (22213)
Discursos (3137)
Ensaios - (9017)
Erótico (13404)
Frases (43775)
Humor (18492)
Infantil (3793)
Infanto Juvenil (2720)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138322)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2402)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4894)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->A Ilha que afundou -- 09/02/2009 - 22:12 (Marcelo de Oliveira Souza,IWA Instagram:marceloescritor) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A Ilha que afundou







Há alguns anos atrás, tive a alegria, felicidade e honra de me criar passando os verões na ilha de Itaparica.

O tempo de duração de espera do Ferry Boat, era no máximo vinte minutos, mesmo assim as filas eram bastante grandes, as embarcações eram modernas, já existia o Agenor Gordilho, um dos mais antigos, não tinha hora marcada, nem catamarã, quem administrava era a Companhia de Navegação Baiana.

Quando chegamos ao Bom Despacho, os transportes eram Kombis e alguns ônibus, precários, inclusive.

Quando adentrávamos o portal de Itaparica, depois da Fonte da Bica, tudo se iluminava, eram os paralelepípedos mais maravilhosos que podiam construir; as praias eram freqüentadas dia e noite, a pescaria de siri, no jereré, marcou a infância de muita gente; a iluminação, quando existia, era quase um breu; as pessoas passavam a noite na praça, levavam até colchão, para fugir do calor, indo refrescar-se encima do gramado, e por lá dormia, às luzes do luar como testemunha.

De manhã cedo os idosos iam andando ou de bicicleta, rotineiramente, tomar a água “milagrosa”, que faz “velha virar menina”.

Com o passar do tempo e seguidas administrações “equivocadas”, digamos assim, a ilha foi se afundando diante das faltas de investimento, a violência como em todo lugar, não poderia deixar de aumentar.

Hoje os veranistas estão desesperados, os moradores em estado de agonia, assaltos em todos os cantos, e vemos a nossa ilha “sumir” diante de todo esse caos.

É um verdadeiro sofrimento para quem se criou tendo como pano de fundo aquele maravilhoso lugar, que é fonte de tantas lembranças para o povo que por lá passou, investiu e o que hoje sofre diante de toda essa ingerência dos poderes públicos.

Uma ilha desse potencial, se fosse em outro lugar, como na Europa, seria um verdadeiro balneário, mas infelizmente encontra-se no Brasil, lugar de ilhas particulares, castelos e todo tipo de ostentações, adquiridos de maneira duvidosa.

Diante de todo esse drama a ilha afunda cada vez mais dentro de um mar escuro e enlameado; todos os ilhéus, ex-turistas e ex-veranistas clamam por atenção dos órgãos competentes, mas não acontece absolutamente nada. Devolvam a nossa Ilha!





Marcelo de Oliveira Souza

Salvador Bahia



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui