Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
73 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57107 )
Cartas ( 21170)
Contos (12599)
Cordel (10092)
Crônicas (22211)
Discursos (3137)
Ensaios - (9015)
Erótico (13403)
Frases (43758)
Humor (18486)
Infantil (3792)
Infanto Juvenil (2717)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138313)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4892)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->O mesmo início de ano! -- 24/01/2009 - 23:59 (Marcelo de Oliveira Souza,IWA Instagram:marceloescritor) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O mesmo início de ano





Todos ansiavam para que o ano passado terminasse, as expectativas quanto ao futuro são grandes, tem pessoas que mudam alimentação, vestuário e até consultam oráculos a fim de que possa ter uma melhor sorte.

O presente ano chegou com toda a sua juventude, com pessoas cheias de entusiasmo, sonhos e desejos para serem alcançados, contudo percebemos logo nesse início que as coisas tendem a continuar, os impostos saltam aos olhos à procura do conforto da quitação, a crise que nosso presidente insistia tanto em negar já está batendo às portas dos brasileiros, com isso o desemprego aumenta ainda mais, o que vem acompanhado de muito sofrimento e medo.

A violência continua assustando o cidadão de bem, os hospitais superlotados e desaparelhados ainda com esses mesmos dramas, não têm condição de receber pacientes de todas as regiões.

O tráfico de drogas já domina não somente a Soterópolis, já possui conexões em todo o mundo, os viciados se endividam, quando as dividas não são saldadas, pagam com a própria vida.

O Turismo ainda insiste em aumentar, mesmo com a falta de incentivo e investimento dos órgãos públicos.

A cidade se prepara para o carnaval, as propagandas já estão penduradas nos postes de iluminação, as arquibancadas sendo montadas, os camarotes no mesmo caminho, a exclusão continua durante a festa momesca, com isso a violência se perpetua em mais um campo de guerra, onde a desigualdade torna-se um acinte nesses dias de festa.

Todos esses ingredientes são apenas uma amostra de que os anos mudam, as esperança renasce no coração das pessoas desde o Natal, porém na vida real é muito diferente, para os desafortunados as coisas continuam iguaizinhas a dez, vinte anos atrás, onde a falta de direitos é uma constante.

Festas e festas iniciam-se e terminam, as belezas da nossa terra são mostradas a cada canto longínquo do nosso país e do mundo, mas os invisíveis sofredores de plantão somente são notados, quando a cirene da ambulância ou da polícia é acionada, tornando-se mais uma ocorrência.



Marcelo de Oliveira Souza

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui