Usina de Letras
Usina de Letras
22 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61956 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10258)

Erótico (13560)

Frases (50363)

Humor (19994)

Infantil (5388)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140713)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->A VACA LEITEIRA -- 26/01/2008 - 12:38 (ANTONIO LUIZ MACÊDO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A VACA LEITEIRA

Antonio Luiz Macêdo



Uma matéria exibida nesses dias por um dos tele-jornais de grande audiência, causou indignação e revolta, desprezo e nojo, ojeriza e vômito, entre os Brasileiros BRASILEIROS que trabalham e se dedicam ao crescimento deste Brasil “amado, idolatrado, salve, salve”, mas também “deitado eternamente em berço esplêndido”. BRASILEIROS que fazem e constroem este País com o “suor do seu rosto”, e não com o suor do rosto e do bolso dos seus compatriotas. Revolta-nos saber que os abutres sobrevoam a vaca viva durante o dia ou nas caladas da noite, onde ela se empanzina de “capim real”, porque os seus hepatócitos perderam a capacidade de produzir a bile, essencial para o processo digestivo das gorduras. Mas pra que digeri-las se elas é que despertam o interesse geral dos famigerados “sugadores dessas eras”?



“Aonde a vaca vai, o boi vai atrás”. Este pequeno trecho de uma música popular revela a imagem real e verdadeira de uma caricatura nacional: o congresso. Com letra minúscula mesmo, como minúsculos na honestidade, na coerência, na justiça e na dignidade, são a maioria daqueles que estão lá, colocados por nós. Quando teremos vergonha na cara para banir da vida POLÍTICA (toda em maiúscula) do nosso País, essa cambada majoritária de hienas famintas, cascavéis desachocalhadas e tetéus insones que riem, dão o bote e voam, à moda de carcarás que “pegam, matam e comem”? De Gaulle só errou quando fez uso do nome Brasil, em lugar dos corruptos cupinizados que já àquela época (década de 60), habitavam as locas falcatruantes e congressianas. Pelé, outrossim, quase foi dizimado quando na década de 80, em rede nacional, declarou que o brasileiro não sabia votar. E sabe?



É preciso ser vaca leiteira e de raça pra agüentar o repuxo. O minuto trabalhado pelos congressistas custa R$ 11.545,00. Cada senador, por ano, custa aos cofres do País, R$ 33.000.000,00; e um deputado R$ 6.600.000,00. Estes parlamentares custam a mais em relação a paises como a Itália (3x), França (5x), Espanha (13x) e Argentina (9x). Isto em REAIS.



Realidade cruel e dolorida demais! As vozes calam, os bolsos e as bolsas enchem, estufam, enquanto estômagos urram de fome zero que não tem mais o que zerar. Enquanto eles ladram, as “panças” dos caravaneiros já estão saciadas de filé mignon, escargot, lagosta, salmão... e suas contas no exterior na “engorda de chiqueiro”: comendo, dormindo e...



As tetas dessa vaca são inesgotáveis. E acontece algo extraordinário e inexplicável à luz das ciências econômicas e monetárias: semelhantemente aos de uma mulher que amamenta, quanto mais esses úberes são sugados, espremidos, desmamados, mais leite escorre. Basta uma pequena pausa, tempo suficiente para uma nova produção. Essa pausa eles fazem muito bem. Quando retornam às mamas ou à ordenha (em pouquíssimos casos, porque dá trabalho), a voracidade é tamanha que se exterioriza na proporcionalidade das CPIs. Enquanto isso, o coro “afinado”, ao mesmo tempo que reverencia a vaca canta: “Mamãe eu quero, mamãe eu quero, mamãe eu quero mamar”.





Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui