Usina de Letras
Usina de Letras
20 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61956 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10258)

Erótico (13560)

Frases (50363)

Humor (19994)

Infantil (5388)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140713)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->A "CASA" DO CAPETA -- 30/11/2007 - 12:00 (ANTONIO LUIZ MACÊDO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A “CASA” DO CAPETA

Antonio Luiz Macêdo



A liberdade religiosa a que a Constituição do nosso País se refere, não me parece inteligível a ponto de expressar claramente os limites de bom senso, da moral e da ética, necessários para que ela não passe de liberdade a “libertinagem”. Licenciosidade expressa, ao vivo e a cores, dentro de um “pastorismo” herético, exibicionista e desmedido em métodos e ações, que “travestizam” o Homem – criado à imagem e semelhança de Deus – em fantoche do capeta.



O profeta Ezequiel grita para esses “atalhadores” de ovelhas: “Eis o que diz o Senhor Javé: ai dos pastores de Israel que só cuidam do seu próprio pasto. Não é seu rebanho que devem pastorear os pastores? (Ez 34,2)



A proximidade do final dos tempos, Jesus agrega ao surgimento de um falso “profetismo carcaraniano” (pega, mata e come), que está expresso neste oráculo de Senhor, quando ele denuncia: “Ai dos pastores de Israel que só cuidam do seu próprio pasto”. E com um agravante abominável aos olhos do Senhor: cuidam do próprio pasto, utilizando como meios para alcançar seus objetivos, a falsidade ideológica, a lavagem cerebral e a extorsão. Somando-se a isso, a execração pública a que as ovelhas são submetidas, em detrimento de uma suposta possessão, onde o diabo, de paletó e gravata, agarra e puxa pelos cabelos o outro que não se deixa agarrar. E o espetáculo continua.



Quantas vezes Jesus nos alerta nas palavras do Evangelho! “Guardai-vos dos falsos profetas. Eles vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos arrebatadores!” (Mt 7,15). E eles andam por aí. Os lobos vorazes dos quais nos fala Jesus, transfiguram-se até em leões: “Sede sóbrios e vigiai! Vosso adversário, o demônio, anda ao redor de vós como o leão que ruge, buscando a quem devorar. (1Pd 5,8) Por que se deixar enganar? Por que se deixar conduzir e seduzir por este “pastorismo bolsal”? Para que pedir, onde não se recebe? Para que buscar, onde não se encontra? Para que bater, se a porta aberta aponta as veredas do abismo onde você sucumbirá? É disso que o diabo gosta.



“Porque se levantarão falsos cristos e falsos profetas, que farão milagres a ponto de seduzir, se isto fosse possível, até mesmo os escolhidos. Se, pois, vos disserem: Vinde, ele está no deserto, não saiais. Ou: Lá está ele em casa, não o creiais”.

(Mt 24,24-26)

Nós dizemos que somos cristãos, somos de Jesus, Jesus é o Senhor da nossa vida e da nossa história, ele é o nosso Salvador e Redentor, e quando ouvimos falar que ali há milagres, acolá sinais e prodígios, nem esperamos a constatação de alguém, fazemos questão de ver e fazer a propaganda gratuita. E Jesus nos diz: “Não saiais. Não creiais”.



Quando amadureceremos a nossa fé? Quando você deixará de dar ouvidos às vozes da iniqüidade, para escutar somente a voz do Pastor? Você conhece a sua voz. Ele cuida de você. São Paulo exorta os habitantes de Corinto, dizendo: “Eu vos dei leite a beber, e não alimento sólido que ainda não podíeis suportar. Nem ainda agora o podeis, porque ainda sois carnais”. (1Cor 3,2). Não somos mais bebezinhos que só se alimentam de leite. Se estamos assim ainda, urge uma conscientização cristã séria e firme, dentro de um testemunho coerente, sensato e intrépido.



Jesus nos alerta mais uma vez: “Levantar-se-ão muitos falsos profetas e seduzirão a muitos. E, ante o progresso crescente da iniqüidade, a caridade de muitos esfriará. Entretanto, aquele que perseverar até o fim será salvo. (Mt 24,11-13). Que promessa maravilhosa! Ela reacende no coração a esperança tantas vezes mutilada, e agora regenerada, restaurada, renovada pelo poder da palavra do Senhor. “Aquele que perseverar até o fim será salvo”. Salvos dos falsos profetas; salvos do “profetismo bolsal e herético”; salvos do “profetismo carcaraniano”; e sobretudo, salvos do capeta, que tem residência fixa e passaporte.















Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui