Usina de Letras
Usina de Letras
23 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61963 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50381)

Humor (20001)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4726)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140718)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6142)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Contag inicia ofensiva contra mudança em lei trabalhista -- 24/11/2001 - 12:03 (Alexandre Palhares) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Contag inicia ofensiva contra mudança em lei trabalhista



Texto extraído de http://www.direitopublico.com.br/







A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) iniciou ontem uma ofensiva contra o projeto de lei que altera a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).



Se aprovada, a mudança permitirá que acordos entre entidades representantivas de empregados e de empresas se imponham às determinações legais.



As 26 federações estaduais de trabalhadores na agricultura e os 3.770 sindicatos de trabalhadores rurais ligados à Contag foram orientados a enviar faxes e e-mails a todos os deputados federais, exigindo voto contra o projeto. A carta sugerida afirma que Contag, federações e sindicatos farão ampla campanha de divulgação dos nomes dos deputados que votarem a favor do projeto, tendo em vista as eleições do ano que vem.



– Queremos que os eleitores do campo saibam quem defende e quem não defende os trabalhadores rurais – explicou Guilherme Pedro Neto, secretário de Assalariados da Contag, entidade que representa 25 milhões de trabalhadores rurais.



O Partido Democrático Trabalhista (PDT) realizou ontem de manhã ato de protesto na Esquina Democrática de Porto Alegre contra a mudança na CLT. O deputado Paulo Paim (PT-RS) lançou desafio ao governo e a sua liderança para um grande debate nacional que esclareça a população sobre o que representa o projeto.



Juízes e procuradores do Trabalho alertaram ontem, em Brasília, que os trabalhadores correm o risco de perder 40 anos de conquistas trabalhistas, caso seja aprovado o projeto. O aviso foi dado no 2º Encontro Jurídico de Magistrados e Procuradores do Trabalho da 10ª Região, que inclui Distrito Federal e Tocantins.



O projeto que muda a CLT deverá ser votado terça-feira. Mesmo sem o apoio do PMDB, o governo decidiu enfrentar, no voto, as resistências da oposição.



– Por mim, eu já teria votado esta semana e só não o fizemos a pedido do líder do PMDB, que agora nos avisa que encaminhará a votação de sua bancada contra a proposta – disse o líder do governo na Câmara, Arnaldo Madeira (PSDB-SP), que aposta na aprovação. – Na quarta-feira passada, nós ganharíamos.



O QUE PODE MUDAR

13º salário: É garantido pela Constituição, mas o número de parcelas e prazo de pagamento seriam negociáveis. A lei prevê que seja pago metade até 30 de novembro e o saldo até 20 de dezembro.



FGTS: Os percentuais da multa sobre os depósitos em caso de demissão sem justa causa seriam negociáveis. A lei exige depósito mensal de 8% do salário e multa de 40%. Medida provisória aumentou a multa para 50% para custear o pagamento da correção do FGTS.



Férias: Acordo poderia prever parcelamento em mais de dois períodos. A lei garante 30 dias de férias em dois períodos de no mínimo 10 dias.



Vale-transporte: Não pode ser pago em dinheiro, mas o acordo poderia fixar outra forma de pagamento.



Tempo para almoço: Hoje, varia entre uma e duas horas. Poderia ser mais flexível, por acordos.



Contrato de experiência: Poderiam ser negociados prazos maiores do que o atual, de 90 dias.



Jornada de trabalho: Pela Constituição, é de oito horas diárias e 44 horas semanais no máximo. Para categorias como telefonistas e bancários, a lei prevê jornadas menores, que poderiam ser alteradas por acordos, obedecido o máximo de 44 horas semanais.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui