Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
193 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58444 )
Cartas ( 21217)
Contos (12940)
Cordel (10248)
Crônicas (22144)
Discursos (3154)
Ensaios - (9303)
Erótico (13459)
Frases (45636)
Humor (19032)
Infantil (4261)
Infanto Juvenil (3391)
Letras de Música (5457)
Peça de Teatro (1331)
Poesias (137836)
Redação (3023)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1938)
Textos Religiosos/Sermões (5334)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->TJN - 004 = A Modernidade da Igreja -- 14/09/2007 - 07:22 (TERTÚLIA JN) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. A MODERNIDADE DA IGREJA







A Igreja quer ser moderna só que não comunga dos conceitos de modernidade que o mundo consumista, materialista e hedónico lhe quer impor. Não pode comungar com a ostentação da inssexualidade e das perversões sexuais nem com os comportamentos desviantes que levam ao aborto. A mensagem da Igreja é outra, o seu conceito de modernidade é diferente, pois baseia-se na consciência, na alma e não no componente corpóreo, apenas necessário para a vivência da prova da vida. Procura os prazeres eternos do espírito que levam a Deus e não os prazeres efémeros do corpo, apenas estímulos necessários à preservação da espécie que não levam a nada mais. Jamais poderá concordar com a exploração dos sentimentos íntimos do ser humano, da sua dignidade para fins meramente especulativos, nem com o conceito materialista do amor que o transforma apenas em sexo. O sexo no Homem, como ser superior, não é só instinto como nos animais. Está imbuído dum sentimento psicoafectivo que se chama Amor.

O Homem como entidade auto-consciente e racional, é também um ser responsável, imputável e punível. A consciência responsabiliza-o pelos seus actos e pune-o eternamente se não conseguir redimir-se antes de perecer. Do castigo da consciência jamais se poderá livrar. É desse problema grave que a Igreja se empenha e que nada tem a ver com a modernidade hedónica actual, baseada no gozo efémero e aliciante das moléculas e dos neurónios. Por isso, o conceito de modernidade da Igreja, nada tem a ver com o conceito de modernidade que os grandes grupos económicos, apoiados pelos ateus e agnósticos, querem fazer passar.

É sabido que, quando a carne se esgotar, dando início à decadência física, é que o Homem sentirá esta realidade atroz com mais clareza e então verá, se não o conseguir antes, que o Papa João Paulo II estava bem mais lúcido do que aqueles que o aconselhavam a renunciar, mesmo na sua doença que apenas fisicamente o diminuia e atormentava.





Reinaldo Beça

(reibessa@hotmail.com)



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui