Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
64 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57116 )
Cartas ( 21170)
Contos (12600)
Cordel (10093)
Crônicas (22214)
Discursos (3137)
Ensaios - (9018)
Erótico (13404)
Frases (43782)
Humor (18494)
Infantil (3794)
Infanto Juvenil (2721)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138319)
Redação (2927)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2402)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4897)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil-->OS AMIGUINHOS DE ANTÔNIO -- 31/05/2009 - 11:44 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A família de Antônio possuía uma fazenda nos arredores de Lisboa, onde seu Martinho cultivava uma grande plantação de arroz. O menino gostava de ir à fazenda com o pai, porque lá, conversava com os peixinhos do rio e com os pássaros que estavam sempre soltos a cantar e também a comer arroz.

Certo dia, Martinho levou o filho e lhe deu a dura tarefa de vigiar o arroz. Precisava colher uma boa safra e os pássaros estavam estragando demais o legume. Já havia colocado um espantalho, mas os passarinhos descobriram que o espantalho ficava paradinho, com os braços abertos, imóveis, e nada lhes podia fazer.

Antônio precisava obedecer às ordens do pai, mas não queria deixar seus amigos com fome. Então combinou com a passarada: ora vocês comem, ora vocês não comem. Mas não estraguem nada, peguem só o que precisam para comer. A história espalhou-se pelas imediações e muitos pássaros vieram de longe, para também se alimentarem do arroz de seu Marinho.

O menino viu o pai aproximar-se do roçado. Temendo uma repreensão, chamou os passarinhos para conversarem com ele no galpão, uma espécie de paiol, onde o pai armazenava a colheita até transportá-la para a cidade. O paiol ainda estava vazio.

Os pássaros o seguiram. O menino abriu a porta, entrou e chamou os amiguinhos. Todos entraram e quando seu Martim chegou, os pássaros estavam trancados. Solte os passarinhos, disse o pai. O menino soltou, mas, nenhum deles foi para a roça de arroz, porque estavam com os papos bem cheinhos de comida.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui