Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
42 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59156 )

Cartas ( 21237)

Contos (13110)

Cordel (10292)

Crônicas (22201)

Discursos (3164)

Ensaios - (9445)

Erótico (13482)

Frases (46558)

Humor (19288)

Infantil (4464)

Infanto Juvenil (3737)

Letras de Música (5480)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138285)

Redação (3057)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5536)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Onde estou eu? -- 10/03/2002 - 12:16 (Vânia Moreira Diniz) Siga o Autor Outros Textos
. Acordei de madrugada com a sensação de vazio. Perguntei-me por mim mesma e não me encontrei em nenhuma sensação.
Minha alma ia longe, quando pude perceber que nada estava concentrado em mim. A memória encontrava guarida, em cenas pungentes ou não, que haviam soprado em minha vida. E eu procurava na penumbra, fugir de tudo que pudesse me enternecer.
Puxei os lençóis para cima como a procurar a proteção do meu ser interior, aquele que não se vê, mas é machucado com facilidade.E pude perceber que estava sensível, doído, muitas vezes devastado. Fiquei ali a fazer-lhe companhia e querendo aliviar suas múltiplas feridas.Elas estavam abertas e requeriam cuidados.
Sabia que entre diversidades mil, infindáveis alegrias tinham se instalado, espaçosas, belas e fazendo parte de um dia–a–dia razoável. Mas elas se mantinham independentes e conseguiam sobreviver por si mesmas. Sem maiores supervisões. Deixei-as então tranqüilas e me preocupei com as dores que estava sentindo.
Reconhecia que o mundo não se incomodava com elas e continuaria a girar em seu rodopiar ininterrupto, apesar de todos os atropelos. Veio-me a idéia de Deus. Mas onde estava ele? Onde estava ele, nas preces que a humanidade fazia? Onde estava ele, que nesse momento talvez não me pudesse ouvir? Onde estava ele, ser onipotente e poderoso, que talvez não quisesse escutar a minha voz que se tornara frágil pela intensidade da dor! Onde estava ele?
Recorri, então para meus entes queridos que haviam partido, mas só podia vê-los na inconsciência do meu cérebro a relembrar imagens e miragens! E gritando pedia que se aproximassem, para que eu pudesse vislumbrar seus rostos amados e desaparecidos!
Muitas cenas pareciam tornar-se realidade e procurava me adequar a todas a elas, desejando que estivesse vivendo uma realidade palpável! Como desejava que nada daquilo tivesse sido uma realidade ultrapassada!
Meu cabelo estava úmido de suo,r enquanto meus olhos se abriam procurando na semi-obscuridade do ambiente um socorro, um grito, um reconhecimento, uma vida. E parei no tempo, numa infância pontilhada de surpresas, vivências adormecidas, porém amadas e reminiscências que chegavam assombradas na sua fantasia.
Pensei em milhares de pessoas que deviam estar passando, embora de forma diferente, pelas mesmas experiências e quedei-me menos agitada, as lágrimas molhando o rosto que se mantinha deitado no travesseiro já úmido.
Nesse momento, acenou-me um pergunta que já tinha perturbado minha infância faceira e encantada pelos episódios fascinantes ou fatos mais objetivos: Quem éramos nós e o que era a vida? Conseguira apenas, sempre respostas perturbadoras e inadequadas que se misturavam e formavam quadros estarrecedores.
Sentei-me na cama vislumbrando o meu próprio inconsciente, querendo entender o que se passava e novamente gritando por entes queridos, que não podiam me responder.
Lentamente, então me deitei já cansada pelo esforço e mais uma vez reconhecendo o quanto de impotência existia em mim. E como nada podemos quanto ao mistério que nos cerca, fechei os olhos, pouco entendendo do próprio sono que aos poucos tomava conta de mim, levando-me a outros caminhos inexoráveis e mágicos.

www.vaniadiniz.pro.br
vaniadiniz@yahoogrupos.com.br



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui