Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
182 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58677 )
Cartas ( 21225)
Contos (13001)
Cordel (10257)
Crônicas (22150)
Discursos (3159)
Ensaios - (9335)
Erótico (13465)
Frases (45881)
Humor (19090)
Infantil (4324)
Infanto Juvenil (3494)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1335)
Poesias (137799)
Redação (3032)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2423)
Textos Jurídicos (1940)
Textos Religiosos/Sermões (5388)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->TJN - 011 = A Portugal: para que servem os espelhos?!... -- 12/02/2007 - 15:38 (TERTÚLIA JN) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. Há cerca de 6 anos que troco pareceres, tendo estabelecido uma muito interessante e límpida amizade, com uma professora e poetisa brasileira, casada com um professor e mãe de um jovem engenheiro com vinte e poucos anos. Vive em local sob apurada vigilância e lecciona no Rio de Janeiro, sucedendo que tanto ela como o marido já foram vítimas de inopinados assaltos em pleno dia, tendo logrado a sorte, por cedência imediata, de escaparem sem graves maus tratos.



Através dela estou ao corrente de factos que parecem inacreditáveis. Os cariocas vivem em estado de permanente inquietação e temência.



No JN de hoje, confirmando tão nefandos e abomináveis factos, leio que foi criado recentemente um sítio internético exclusivamente destinado à contagem das mortes violentas que dia a dia vão ocorrendo em média impressionante:



http://www.riobodycount.com.br



... algo à guisa de



http://www.iraqbodycount.org



... que já contou no Iraque pelo menos 56 mil mortos desde a invasão ordenada por Mr. Bush.



Refere-se, quanto ao Brasil, que a violência caiu na vulgaridade e a maioria das pessoas não têm bem a noção da enorme tragédia que decorre pertinaz e sem trégua. O problema é de tal complexidade que a Polícia tem de ser ajudada pelo exército para superar as fortes eclosões de criminalidade que sucessiva e frequentemente acontecem. Em pessoa atenta e sensata "não cabe feijão" é o termo.



Ora, em relação a nós portugueses, mais valerá prevenir fortemente desde já algo de insólito ou vai-se deixando andar e depois vê-se o que se há-de fazer, tal como todos os anos os nossos bombeiros e o povo vão afrontando aflitivamente os incêndios?



No Brasil o "fogo pegou" e tragicamente não há meio de cessar por mais água e água que Lula mande deitar em cima. Ladrão molha, seca e de imediato molha outra vez e outra vez...



Torre da Guia

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui