Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
168 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58677 )
Cartas ( 21225)
Contos (13001)
Cordel (10257)
Crônicas (22150)
Discursos (3159)
Ensaios - (9335)
Erótico (13465)
Frases (45881)
Humor (19090)
Infantil (4324)
Infanto Juvenil (3494)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1335)
Poesias (137799)
Redação (3032)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2423)
Textos Jurídicos (1940)
Textos Religiosos/Sermões (5388)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->TJN - 011 = Ainda só vamos aqui por enquanto, mas vê-se tudo -- 31/01/2007 - 01:36 (TERTÚLIA JN) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. Texto especialmente dirigido ao Fórum JN



Quando há 198 anos Charles Robert Darwin nasceu, em Shrewsbury-Inglaterra a 12 de Fevereiro de 1809, tinha dois impositivos âmbitos a dominar-lhe a atmosfera racional onde haveria incontornavelmente de integrar-se: a Bíblia, dogma milenar e tremendo repositório de factos implantados em ego endeusado, e a Vida, este-instante-real em permanente compaginação.



Ao cabo de 73 anos, após haver concluído que o distinto ser humano que representou ao longo da sua existência era tão-só um mero estado de passagem biológica, finou-se a 19 de Abril de 1882 em Downe - Kent. Os seus concidadãos, reconhecendo-lhe os invulgares méritos de investigador-pensador, enterraram-no na abadia Westminster, lado a lado com cérebros de idêntica craveira e sob a abóboda que em pedra presume acobertar o que de mais notável houve e há em inteligência e raciocínio humano colectivo.



Porque me ocorre citar e colocar Darwin aqui no Fórum JN neste momento? Considero que a vida hodierna é uma sala plena de luz às escuras. É surpreendente como no meio de tanta claridade humana há tantos-e-tantos indivíduos em propositado e perverso confronto. Casos há que não têm pejo algum em martelar e escaqueirar estupidamente os interruptores disponíveis.



Santinho, entre a Hidra e o símio de Darwin, em 2007, sinto o desejo enorme de me escapulir para uma terra negra-negra onde só porventura existissem iguanas e tartarugas. De resto, quantos-e-quantos como eu sentiram e sentem o mesmo aliviante sintoma?



Que "triste-sem-saber" será rebentar estupidamente com um botão a um casaco e depois tentar segurá-lo com um pedacinho de arame, reentrando pela porta das traseiras no outro dia?...



Torre da Guia
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui