Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
164 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59156 )

Cartas ( 21237)

Contos (13110)

Cordel (10292)

Crônicas (22201)

Discursos (3164)

Ensaios - (9445)

Erótico (13482)

Frases (46558)

Humor (19288)

Infantil (4464)

Infanto Juvenil (3737)

Letras de Música (5480)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138289)

Redação (3057)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5536)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Simbiose Materna -- 14/02/2002 - 21:19 (Vânia Moreira Diniz) Siga o Autor Outros Textos
. www.vaniadiniz.pro.br
http://www.grupos.com.br/grupos/vaniadiniz



(À minha mãe)

Quando era um simples embrião,

Em estreita ligação, perfeita coesão

Dependendo em tudo e dando vazão,

Ás necessidades básicas em profusão.



Quando me alimentava em teu útero,

Carente e frágil tão pequenina,indefesa,

Era para ti muito mais que um feto

E sentia o conforto de tua protetora defesa.



Quando crescia e me formava saudável,

O coração batendo na evolução da vida,

E sempre me sentia em lugar agradável,

Quente, saciada aceita e tão amada.



Quando nasci ligada ao cordão que nos unia,

Cuja utilidade tinha com eficiência demonstrado

E precisava do teu peito que procurava em agonia,

Revelando a simbiose mais amorosa evidenciada.



Quando carecia de tuas mãos para todo fim,

Conseguias secar minhas lágrimas sem que falasse,

Segurava meu corpinho e não vivias sem mim

E cansada me ninava para que o sono continuasse.



Quando eu crescia e te orgulhavas,

Com o coração transbordante e feliz

Admiravas a tua obra e não lastimavas

Os trabalhos e as noites que lentas eu fiz.



Toda uma vida desabrochou,

De ti apenas dependendo e vivendo,

E em todos os momentos achastes

Que valeu a pena o que passou.



Por tudo isso não há poesia eloqüente

Que possa expressar amor tão onipotente,

E não vejo nada mais evidente ,

Que essas sensações conscientes,

Verdadeiras , profundas e veementes.







Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui