Usina de Letras
Usina de Letras
28 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61962 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50379)

Humor (19998)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4725)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140716)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Reflexão -- 13/12/2006 - 09:51 (anderson jose de aguilar) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Reflexão



Pega o cachimbo, acende e dá uma baforada,

acompanha a espiral da fumaça que se forma.

Vai até a janela e olha pensativo para o jardim,

“ penso, logo existo “. A existência é o nada.



Devagar, põe o cachimbo na boca, mexe a brasa,

e lembra da avó que nunca aprovou o tabagismo.

Decide ficar sentado diante da janela. Pensativo,

puxa a poltrona e se detém olhando as flores.



Está de novo envolto em reflexões.

“ penso, logo existo “. Quem mais pensa ?

O homem cobriu-se de jargões e conceitos,

e fez nascer a desventura e o sofrimento.



Vingança, ódio, ternura e amor,

razão, emoção, alegria, tristeza,

desejo, vaidade, orgulho... e guerras.

Complexo mundo de sentimentos.



Único animal que copula por prazer,

que se alimenta pelo sabor doce ou amargo,

que aniquila sua espécie, não pela sobrevivência,

mas pela disputa imbecil do torpe poder.



Enquanto esse raro animal pensa,

os outros vivem por instinto natural.

Esse, dizendo buscar a luz do sol,

afasta-se a cada passo da felicidade.



“ penso, logo existo.” Não e não!

“ Por pensar, nego minha existência.”

Um gato ronrona, esfrega-se na perna.

- Instinto primitivo, pensa. Sabedoria.



Mexe no cachimbo e contempla o jardim.

Um colibri paira no ar diante de uma flor,

a passarada sobrevoa no firmamento, e ele

sorri. Outra baforada, um sorriso...



02.04.04. Anderson Aguilar

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui