Usina de Letras
Usina de Letras
18 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61962 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50379)

Humor (19998)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4725)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140716)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->A Sentença -- 13/12/2006 - 09:50 (anderson jose de aguilar) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Sentença



Nos grilhões acorrentado

e preso na parede que não vê,

mordido pelo verme que suga,

agoniza o belo animal humano.



A mente auto dilacerada no riso

revela a face dura do carrasco

que executa sem dó ou piedade

a missão que lhe foi ordenada.



Outrora valente e poderoso,

cumpre a pena profetizada

mas não ouvida e debochada,

no calabouço do próprio juízo.



A noite, gargalhadas sarcásticas

afastam o sono, como se fossem

guardiãs incansáveis do castigo,

perpetuando a pena assim imposta.



O sangue negro que escorre no corpo

alimenta o rato que ronda incansável,

remoendo as entranhas do remorso

na agonia sentida, mas agora, inútil.



Ao julgar-se imune e intocável

não percebeu que o júri imparcial,

espreitava e esperava incansável

a sentença dada no dia do juízo final.



Não percebeu que o justo tribunal,

foi edificado por ações cometidas

numa vida envolta no prazer do riso

e na luxúria do gozo banal e bestial.



30/04/06 Anderson Aguilar

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui