Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
264 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59136 )

Cartas ( 21236)

Contos (13103)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46519)

Humor (19281)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138237)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->O calor da justiça, de Michel Pinheiro -- 05/12/2006 - 06:36 (Michel Pinheiro) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. O calor da justiça





Publicado no jornal O POVO, dia 11 de dezembro de 2006.





Michel Pinheiro, juiz em Tauá e ex-presidente da ACM





Repetidas reclamações têm sido auscultadas nos corredores do imenso fórum de Fortaleza, Clóvis Beviláqua, diante do calor impiedoso que turva o juízo das pessoas que vão e ele em busca de informações sobre seus processos. Os advogados sofrem muito também, pois ainda permanece a cultural de que as audiências só se realizam com uso de paletó – este que é herança do gélido continente europeu a se revelar inadequada em nossas ensolaradas comunas. É, de fato, desanimador, pois cediço é que somente as salas destinadas privativamente às atividades forenses das varas têm circulação de ar-condicionado. Essa insuportabilidade não pode permanecer. Urge que se iniciem estudos para melhorar a circulação de ar naquele complexo, com a instalação de exaustores e saídas em diversas partes do teto para liberar o calor. Afinal, o ar quente busca sempre subir – experimento da Física que faz com que os grandes balões trilhem suas veredas no céu. Talvez seja esta a forma mais econômica de reduzir os efeitos escaldantes vivenciados diariamente. Mas melhor seria se fosse adotado ar-condicionado central em todos os ambientes, incluindo os corredores que dão acesso às varas, medida talvez inviável diante do elevado custo operacional, principalmente de energia elétrica. Mas o povo – verdadeiro destinatário da prestação jurisdicional – não pode ser esquecido, pois é para ele que existem os órgãos da justiça. Todos sabem que, em decorrência do elevado número de processos, há casos em que pessoas têm esperado por longos minutos – no calor – a realização de atos audienciais. A busca pela eficiência nas atividades jurisdicionais passa, necessariamente, pela preocupação com a promoção do mínimo de conforto a todos que procuram o Judiciário. A Ordem dos Advogados já deveria ter envidado movimento com este objetivo. Que se faça pesquisa entre os advogados. Eles vão dizer o que pensam do assunto !!!

















Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui