Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
118 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57755 )
Cartas ( 21192)
Contos (12694)
Cordel (10206)
Crônicas (22323)
Discursos (3143)
Ensaios - (9126)
Erótico (13426)
Frases (44547)
Humor (18704)
Infantil (3971)
Infanto Juvenil (2910)
Letras de Música (5481)
Peça de Teatro (1321)
Poesias (138405)
Redação (2955)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2413)
Textos Jurídicos (1930)
Textos Religiosos/Sermões (5038)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->A Lua beijando o firmamento -- 26/11/2002 - 11:05 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela
José de Sousa Dantas

Cada fase da lua é variante,
lua cheia, minguante e lua nova,
vem depois a crescente que renova
começando o período mais brilhante,
sua luz vem do sol irradiante,
cada fase num ciclo se anela
num regime perfeito da tabela,
todo mês tem o mesmo movimento,
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela.

É o sol que à lua ilumina,
faz a noite tornar-se mais bonita
num período sistêmico que agita,
na beleza singela que fascina,
é saudável pra noite nordestina
na perfeita função da aquarela,
que no colo do mundo beija e sela
com desejo do corpo mais sedento,
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela.

É a lua que serve de convite
pra fazer-se uma festa de orgia
numa noite coberta de magia,
aumentando o prazer do apetite;
seja a classe de pobre ou da elite
tem um sonho voltado para ela,
fantasia sublime que revela
o apreço, o amor e o sentimento,
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela.

As estrelas cintilam sob a lua
ocupando os espaços diferentes,
todas elas são belas, atraentes
num encanto que o povo lhe cultua;
não existe na terra quem destrua,
cada uma se firma e se atrela,
para a lua a estrela é sentinela
que vigia o satélite opulento,
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela.

É a lua que dá inspiração
pra pessoa escrever ou meditar,
construir um poema e viajar
na paisagem lunar da amplidão,
fazer prece e pedir a proteção
no frontal da igreja ou da capela,
agradece, promete e interpela,
calmamente, no palco do relento,
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela.

Vejo a lua candente, cor de prata,
clareando de noite todo espaço,
dando beijo na área do regaço,
fulgurando a paisagem da cascata.
Passa livre, tranqüila e se dilata
desfilando na longa passarela,
como a noiva que finge a cinderela,
promovendo o maior divertimento,
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela.

As estrelas de noite surgem tanto,
ninguém sabe medir a quantidade,
espalhadas por toda a imensidade,
refletindo clarão em todo canto;
são espelhos de Deus que dão encanto,
uma fica da outra paralela,
lá no céu cada uma se nivela,
não se vê minoria nem aumento,
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela.

Vejo a lua talhando o nevoeiro
no seu rumo no vão da imensidade,
disputando a maior velocidade
lá no alto do céu hospitaleiro;
um contraste atraente verdadeiro,
um cenário de luta sem seqüela,
não se arranha, não cai e nem se rela,
conservando esse seu temperamento,
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela.

Numa noite de lua tem leilão,
tem novena, ciranda e romaria,
serenata, forró e cantoria,
tem histórias de adivinhação,
tem palestra e debulha de feijão,
tem namoro e desfile da donzela,
mamulengo, sueca e tem novela,
farinhada, moenda e casamento,
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela.

É gostosa uma noite de lual
no verão, no inverno ou no estio
na areia do lago ou de um rio
na penumbra do pé de coqueiral
numa margem da orla litoral
que se faz serenata para ela
a canção de ninar que se modela
realizando o maior contentamento
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela

Tem canções declamadas para a lua
numa noite de grande inspiração
que os poetas promovem com atenção
na calçada, na praça ou numa rua
tradição que ainda continua
no mocambo e na simples cidadela
brincadeira de anel, quebra-panela
tempo bom que não sai do pensamento
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela

De manhã quando a lua se inclina
desfilando no céu cor de anil
vai passando do ponto mais sutil
escondendo no meio da cortina
todo mês ela segue essa rotina
modifica a centelha da cartela
essa luz que confunde se aquartela
mas retorna de noite o filamento
Vejo a lua beijando o firmamento
e as estrelas rondando ao lado dela.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 68Exibido 768 vezesFale com o autor