Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
110 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57379 )
Cartas ( 21181)
Contos (12605)
Cordel (10139)
Crônicas (22258)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44138)
Humor (18585)
Infantil (3847)
Infanto Juvenil (2802)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138546)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->O SERTÃO DE LAMPIÃO -- 01/06/2002 - 14:58 (Marcelo de Oliveira Souza,IWA Instagram:marceloescritor) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
vou dormir na estrada,

Tá u calor danado

No Sertão, não chove nada

O povo está todo acabado!



Não tenho aonde ir

Nem o que comer

Cabra macho que sou

O jeito é da seca fugir.



Tou dormindo na estrada

Com uma fome danada,

Sendo acordado com um barulho

Da tropa de Lampião desembestada.



Não tenho tempo de correr

Nem tempo de rezar,

Lampião cabra arretado me pegou

O jeito era peitar.



Me empurrou com um solavanco

Para ver se eu me arranco,

Falando que ia me pendurar numa corda

Por um pedaço meu em cada canto.



Mandou eu pedir para não morrer

eu para começar a correr,

Cabra macho da gota que sou

Disse que não fujo e fico onde estou.



Ele mandou um pelego dele

me cortar a língua e pendurar num pé-de-pau

Eu disse que cabra macho morre inteiro

Que eu derroto um por um

Até não sobrar nenhum.



O Lampião do Sertão

Me testou e jogou três "cabras" em minha mão

Três, quatro, cortei então.



Veio então o "cabra" Lampião

Com uma raiva espumante,

Brigamos com faca e facão

Horas debaixo de uma lua minguante.



Eu não tenho mais forças

Ele começou a me sangrar

Sentindo toda dor do mundo

Ele de repente falou que ia me poupar.



"Cabra" macho que nem este

Não deve morrer e nem sangrar

Mas do meu bando formar.



MMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM



Este poema foi feito para um concurso de poesias na Universidade de Feira de Santana, sob Tema Lampião.

mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm



Marcelo Souza

tel. 91253586
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui