Usina de Letras
Usina de Letras
25 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61949 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10254)

Erótico (13559)

Frases (50353)

Humor (19993)

Infantil (5387)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140710)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cartas-->E a Copa do Mundo Hein! -- 02/06/2002 - 10:54 (Alexandre da Silva Galvão) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Outro dia, num intervalo de um jogo na Globo, o Galvão Bueno anunciou que depois do intervalo iria mostrar um gol do Eder da copa de 82. Eu fiquei me lembrando de toda aquela Copa. Eu tinha 11 anos, todos os meus ídolos, (menos o Reinaldo, o maior deles) estavam em campo. Aquele sim era o Time dos Sonhos, pelo menos dos meus. Quase todos os jogadores eram craques, quase todos tinham as características de saber fazer lançamentos longos, de desconcertar o adversário com passes inesperados, era uma dança, ou melhor, um balé! O Eder era uma das maiores estrelas do time, o maior ponta esquerda que eu vi jogar. Temperamental, falava o que pensava, um jeito meio Romário (mais mineiro) de ser, chutava com muita força, efeito e precisão, fintava os marcadores com arte e, algumas vezes até abusava, como quando lançou uma bola para a área com o pé trocado, de letra. Éder, Reinaldo e Cerezo foram e ainda são os maiores ídolos do meu Galo, sem eles eu nem iria gostar de futebol, na minha casa ninguém gosta (Meu pai, mais distraído nunca vi, num jogo da Copa de 70 ficou no portão da Escola de Minas, sem entender porque não abria).
O Éder já havia assombrado o mundo com as suas bombas, por isso, sempre que pegava na bola, torcedores, jornalistas, jogadores, o gramado, as traves, a rede, enfim, o mundo inteiro esperava os efeitos da explosão. Houve, como era comum naquele time, uma troca rápida e sensacional de passes do goleiro até os pés do Éder. Em menos de três segundos ele ajeitou a bola, preparou o chute, viu o goleiro escocês se adiantar e se preparar resignado para a cacetada iminente, e tocou por cima, de leve, a bola quase parando no ar... o gol mais bonito daquela Copa que, pra mim, foi a maior de todas as Copas. Heróis superiores e glamorosos, ultima fantasia da minha infância... e da infância do futebol também... e desconfio que Paolo Rossi nem sabe disso.
Deve ser fraqueza minha (mais uma), mas talvez eu sinta saudades da época em que eu chorava pelo futebol e nunca chorava por mim...
Que venha essa seleção, que venha o que a vida me reservou, que seja vida ou falta dela, mas que venha... perdi muitas coisas no tempo, mas sonhar eu ainda sei, brincar de ser feliz eu ainda sei, sorrir pra tentar sorrir eu ainda sei...

HORA DE TORCER!!!!


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui