Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
182 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58275 )
Cartas ( 21211)
Contos (12885)
Cordel (10242)
Crônicas (22112)
Discursos (3152)
Ensaios - (9258)
Erótico (13456)
Frases (45463)
Humor (18981)
Infantil (4209)
Infanto Juvenil (3302)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138795)
Redação (3005)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5287)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->BOLERATA EM SERRO -- 05/03/2006 - 00:23 (MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
BOLERATA EM SERRO



Fala-se muito da vesperata em Diamantina. Lembrei-me, então, da BOLERATA em Serro, cidade histórica, tombada pelo Patrimônio, localizada, “no alto azul do espinhaço”, no cantar do hino da cidade, bem pertinho de Diamantina e igualmente rica em arquitetura barroca, casarões, igrejas, da época áurea do ouro, nas minas gerais.



A BOLERATA em Serro, Iviturui, em linguagem indígena, pelo clima de frio que a caracteriza, diferentemente da vesperata, em Diamantina, é, em ponto menor, por isso, aconchegante, envolvida pelo calor humano.



Enfim, o que vem a ser a tal BOLERATA? Uma sinfonia envolvente. Acontece numa das vielas, em curva, no meio da rua, cercada por casarões de dois andares, estilo de época. Ali se posiciona o maestro da banda, ladeado por mesas e cadeiras, onde se acomodam as pessoas, que desfrutarão do espetáculo. De um lado e outro, nos prédios, grudados uns aos outros, nas sacadas do segundo piso ficam os metais da banda e na parte de baixo, os de percussão ostentados, pasmem, por crianças e adolescentes. O gerente da banda, com sua batuta, do meio da rua, lá em baixo, confundindo-se com o povo, dá início à maravilhosa audição. A acústica é perfeita. A música percorre a viela e esbarra nos casarões e cai em nossos ouvidos como algo que vem dos céus, angelical, em melodias que nos fazem recordar os ternos dias de nossa infância. É indescritível. A emoção toma conta de todos e ninguém resiste à vontade de cantar, cantar, cantar... Vale a pena ver e desfrutar desses momentos que serão inesquecíveis. Convido os leitores e aos amantes da música e das boas coisas da vida a verem e ouvirem a beleza singela da BOLERATA, na querida e pacata cidade mineira de Serro Frio, nossa eterna Iviturui.



Belo Horizonte, 01 de maio de 2005.

Marco Aurélio de Betinha de Zaíta de Zé Dayrell de Tuquito de Sinhá

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui