Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
84 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57106 )
Cartas ( 21170)
Contos (12598)
Cordel (10092)
Crônicas (22211)
Discursos (3137)
Ensaios - (9015)
Erótico (13403)
Frases (43755)
Humor (18485)
Infantil (3792)
Infanto Juvenil (2717)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138313)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4891)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Textos_Religiosos-->Ó pai amantíssimo... -- 24/08/2012 - 16:06 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Joaquim, já ao entardecer da existência, alegrou-se com a constatação de que arranjara enfim um genro. Homem probo e justo, embora ancião, José era exímio mestre na enchó, a quem a municipalidade muito recorria na feitura de caixões e de cruzes. E Maria, no fogo da paixão hormonal, na certa muito se acalmaria com a presença daquele experimentado guia.
Em meio a essas conjeturas, Joaquim recorreu à mulher Ana, querendo ouvir-lhe a opinião a respeito da boda que se avizinhava. Ana assinalou o aspecto da calva já avançada do genro, como atestado de paz e harmonia na vida do novo casal, mas, ao mesmo tempo prenunciou alguma dificuldade com a criação da prole, que imaginava, então, seria extensa, como soía aos descendentes da vara de Jacó. Joaquim assentiu, confiado na acuidade da observação da companheira.

Hora era de se acender a fogueira participando a boa nova à vizinhanca, e espantar o frio que roía se abatia sobre Nazaré.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 181 vezesFale com o autor