Usina de Letras
Usina de Letras
23 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61949 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10254)

Erótico (13559)

Frases (50353)

Humor (19993)

Infantil (5387)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140710)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Erotico-->Namorado de amiga -- 20/08/2002 - 01:21 (Andrezza) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Lívia era minha melhor amiga, uma irmã. Havíamos sido criadas juntas desde o berço e assim foi na infância e na adolescência. Confidenciavamos tudo, o primeiro sutiem, o primeiro paquerinha, o primeiro beijo! Quando completamos 15 anos, Lívia arrumou um namoradinho, eu era mais moleca preferia fazer jogo duro com todos os garotos do colégio ao invés de andar com um só como se fosse minha sombra, Marcelo era mesmo uma gracinha. Geralmente estávamos sempre juntos na casa de Lívia.
Numa certa tarde, haviámos combinado de assistir um filme em minha casa, era um desses filmes bem picantes que a maioria dos pais se descabelariam ao descobrir que seus filhos assistiam. Mas na minha casa não era assim, pais liberais não se incomodavam em esconder nada, mais também não facilitavam, apenas via nossa curiosidade como algo natural. Como trabalhavam fora e só chegavam a noite eu passava o dia com Rita a empregada que não ficava policiando muito nossos atos. Marcamos as 15horas, na última hora só marcelo apareceu, lívia precisara acompanhar a mãe na casa de uma tia e só voltaria no cair da tarde. Marcelo entrou, fomos para a cozinha preparar pipocas e pegar os refrigerantes, Rita cuidava de colocar as roupas no varal, e já havisara que teria que ir as compras e que nos comportássemos, ficamos ali na cozinha papeando, Rita entrara como um vendaval esquecera de pagar uma conta e tinha que sair imediatamente logo estaríamos sozinhos, pensamos muito em esperar por Lívia , mais a curiosidade falava mais alto, fomos para meu quarto. Coloquei o filme e me joguei na cama, marcelo fez o mesmo , nas primeiras cenas rimos sem graça, logo pude notar que marcelo suava, eu também estava com muito calor, as cenas fortes que secediam me faziam imaginar qual seria a sensação daqueles homens e mulheres, que se deliciavam em posições que eu jamais ousaria imaginar que existissem. Marcelo estava vidrado no filme, pude perceber que um volume enorme havia se formara em sua bermuda. Ele instintivamente o alisava. eu estava com uma calcinha que estava totalmente úmida, dei um pause no filme que fez marcelo pular. Eu não havia percebido, mas ele abrira a bermuda e colocara para fora o pinto. Eu fiquei hipnotizada, imaginava ser algo pequeno, como o do meu irmão, mas era grande, quase como o de papai. Ficamos ali nos observando, ele não tirava os olhos de meu peito, minha blusa era fina e eles estavam duros. Marcelo não aguentou sentou-se ao meu lado e levantou minha blusa, suas mãos tocaram os bicos de modo meio desajeitado, eu estava quente, parecia ter uma febre daquelas de 40 graus. Logo ele levou minha mão até seu pinto que também parecia ferver, em segundos estavamos livres da roupa e nos esfregando na cama esquecemos até do filme, nos beijavamos nos alisávamos, o pinto de Marcelo parecia procurar minha periquita, eu fechava as pernas tentando impedir, Marcelo saiu de cima de mim, abriu minhas pernas e
Passou a me lamber. Senti quando sua lingua me invadiu, fechei a perna prendendo sua cabeça entre minhas pernas, era delicioso, logo comecei a tremer empurrei marcelo que sentou na cama me olhando, de seu pinto saia um liquido, entendi que precisava chupa-lo também ele forçava minha cabeça enquanto eu sugava seu pinto. Senti o gosto de seu líquido, senti nojo e em pouco tempo meu lençol estava todo molhado. Ficamos ali, nos olhando, Marcelo se limpou colocou a roupa, eu fiz o mesmo, nos beijamos tratamos de tirar o lençol e colocar para lavar, rebobinamos o filme que eu devolvi e fomos para sala, ficamos em silêncio nos olhando, Lívia não demorou a aparecer, dei-lhe uma desculpa sobre o filme , afinal ela chegara tarde. Marcelo ao beija-la me olhava como se quisesse muito repetir a brincadeira. Lívia jamais soube o que acontecera naquela tarde.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui