Usina de Letras
Usina de Letras
64 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59664 )

Cartas ( 21255)

Contos (13325)

Cordel (10320)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9536)

Erótico (13486)

Frases (47213)

Humor (19420)

Infantil (4624)

Infanto Juvenil (3938)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138775)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5657)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->KGB: os segredos de um super espião -- 01/12/2005 - 14:37 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Os segredos de um super espião



27.11.2005

http://gmc.globo.com/GMC/0,,2465-p-M384566,00.html



Um general russo que já ocupou um posto-chave no serviço de espionagem da União Soviética - mas hoje vive nos Estados Unidos como consultor - revela detalhes de uma operação de chantagem internacional, envolvendo a bilionária Cristina Onassis.



Um simples banho de mar no Rio de Janeiro transformou a bilionária grega Cristina Onassis em personagem involuntário de uma operação de chantagem internacional: um capítulo pouco conhecido da vida da mãe de Athina Onassis. A reportagem é de Geneton Moraes Neto.



Um general russo que já ocupou um posto-chave no serviço de espionagem da União Soviética - mas hoje vive nos Estados Unidos como consultor - revela detalhes da operação. A reportagem é de Geneton Moraes Neto.



O homem que hoje caminha anônimo pelas ruas da

capital dos Estados Unidos já foi um super espião, envolvido em intrigas internacionais, falsificação de documentos, atentados políticos e guerra de informação. O russo Oleg Kalugin era general da KGB, o temido serviço de espionagem da União Soviética. O general ocupou um cargo estratégico: diretor do Departamento de Contra-Informação Externa na KGB, em Moscou.



O "OURO DE MOSCOU"



"Por ordem do Partido Comunista da União Soviética, a KGB dava dinheiro a cada Partido Comunista de outros países, inclusive o Brasil. Desde o fim da Segunda Guerra, foram milhões de dólares", revela Oleg Kalugin.



A NOTÍCIA



Um dos casos que o super espião acompanhou teve o Brasil como cenário. "Quando um jornal brasileiro publicou uma pequena notícia sobre a presença de um cidadão russo no Brasil, nós passamos a nos ocupar do caso", lembra Oleg Kalugin.

Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. Cristina Onassis, uma das mulheres mais ricas do mundo, toma banho de mar com um namorado russo, Serguei Kauzov, que atuava em Paris como representante da Marinha Mercante soviética. O fotógrafo Alberto Jacob, do jornal "O Globo", documenta tudo. O namorado russo de Cristina Onassis foi imediatamente convocado de volta a Moscou.



A OPERAÇÃO



"O fato de Kauzov estar no Brasil com Cristina Onassis significava uma violação de disciplina, porque ele era informante da KGB. Teria de ser punido. Além de tudo, ele estava envolvido em irregularidades financeiras na Marinha", conta Oleg Kalugin.



A DECISÃO



Numa reunião que contou com a participação de Yuri Andropov, o chefão da KGB, o general fez uma proposta ousada. "Se puníssemos o namorado de Cristina Onassis, nós estaríamos criando um escândalo internacional. Cheguei à conclusão de que ele seria mais útil para nós se ficasse livre, porque o casamento com Cristina Onassis poderia ser uma maneira de levantar dinheiro para a causa comunista. Afinal, se ele tivesse um filho com Cristina Onassis, os bilhões de dólares da família Onassis poderiam passar um dia para um cidadão soviético", explica Oleg Kalugin.

A decisão final foi tomada: Kauzov ficaria livre para se casar com Cristina Onassis, desde que fizesse uma contribuição em dinheiro para o Partido Comunista da União Soviética. Em um livro inédito no Brasil, o general dá os números: diz que Kauzov foi obrigado a entregar US$ 500 mil ao partido. A Operação Onassis foi bem-sucedida.



A GUERRA DA INFORMAÇÃO



O general da KGB teve participação importante na guerra de informação contra os Estados Unidos, o grande inimigo da União Soviética. "Havia notícias que eram inventadas na KGB para atingir a reputação dos Estados Unidos e da CIA, a agência de espionagem americana. A KGB inventou a história de que Lee Oswald, o assassino de John Kennedy, era parte de uma conspiração entre a CIA e os conservadores que dominavam a indústria do petróleo. A verdade é que a KGB falsificou uma carta supostamente escrita por Lee Oswald para um grande empresário da área petrolífera”, revela Oleg Kalugin. “A morte de um secretário-geral da ONU, num acidente aéreo, no início dos anos 60, também foi atribuída à CIA. Igualmente, a morte do ex-primeiro-ministro italiano Aldo Moro, assim como a de Indira Ghandi, na Índia. A KGB atribuía à CIA tudo o que acontecia no século 20. Assim, poderíamos promover a causa soviética", justifica.

Valia tudo na guerra na guerra por corações e mentes. O general, que já esteve no centro do combate entre o capitalismo e o comunismo, se transformou no mais alto oficial da KGB a quebrar os segredos dos bastidores da espionagem.



O "PARAÍSO NA TERRA"



"O comunismo era – e é – uma grande idéia, baseada em bons princípios cristãos. Mas essas grandes idéias ficaram desacreditadas porque não se pode construir um Paraíso na Terra à custa de milhões de vidas humanas", conclui Oleg Kalugin.





Obs.: matéria apresentada no "Fantástico", da TV Globo, 27/11/2005.















Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui