Usina de Letras
Usina de Letras
43 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59664 )

Cartas ( 21255)

Contos (13325)

Cordel (10320)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9536)

Erótico (13486)

Frases (47213)

Humor (19420)

Infantil (4624)

Infanto Juvenil (3939)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138775)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5657)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Frei Betto, o frade apóstata, por ele mesmo -- 26/09/2005 - 09:47 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Resisti bravamente à tentação de fazer um ou outro comentário sobre o que se segue. Fui contido por uma idéia, até bem simples: ou um católico medianamente formado é capaz de entender do que se trata, ou milhares de comentários — mesmo que ilustrados com desenhos coloridos e setinhas indicativas — são completamente inúteis. Até porque poucas vezes vi um homem descrever a (verdadeira) razão de sua vida, suas (verdadeiras) crenças, seus (verdadeiros) objetivos e seus (verdadeiros) motivos de alegria e orgulho com tanta clareza. Só não entende quem não quer.



Alexandre Ramos da Silva



***



Lutar pela implantação do socialismo até o último dia das nossas vidas



Palavras finais de Frei Betto



Manuel Piñeiro sempre nos apoiava, se interessava pelas pautas da revista (*). Era colaborador da revista e sobretudo nos dizia, entre tantas dificuldades que temos para manter viva a América Livre, que deveríamos continuar. Nosso último encontro foi em janeiro de 98. Ele faleceu em março de 98 em Havana. Eu o vi por ocasião da visita do Papa. Eu havia sido convidado pelo governo cubano para prestar uma assessoria teológica, no qual estava também Giulio Girardi e outros companheiros na área de igreja. Piñeiro era um internacionalista nato, e aí, talvez, a gente possa fazer um paralelo curioso com a padroeira das missões. A padroeira das missões da igreja católica é uma monja que nunca saiu do mosteiro, Santa Teresinha do Menino Jesus.



Piñeiro praticamente nunca saiu de Cuba, mas eu não conheço outro cubano tão internacionalista quanto ele. Com a maneira de como ele conduziu esta política de solidariedade internacional com a revolução cubana, inclusive grupos, em seus próprios países, grupos e partidos sequer mantinham o dialogo entre eles, graças a magia política de Piñeiro, aqueles dois grupos quando se tratava de solidariedade à Cuba se faziam presentes. Então eu queria que a gente fizesse, uma salva de palmas em homenagem ao exemplo do companheiro Manuel Piñeiro.



Vamos permanecer de pé mais um momento para homenagear mais dois companheiros que completam datas redondas este ano. Companheiros que tombaram lutando pelos mesmo ideais, as mesmas utopias que consistiram nas nossas discussões dos debates destes dias. O companheiro Miguel Enriquez que foi secretario geral no MIR de Chile, que tombou em combate há vinte e cinco anos. Uma salva de palmas ao companheiro Miguel Enriquez.



E este ano estamos comemorando no Brasil, tivemos agora em outubro e novembro homenagens intensas em varias cidades brasileiras, trinta anos da caída, do assassinato do companheiro Carlos Marighella. Carlos Marighella foi comunista do Partido Comunista Brasileiro. Esteve preso durante a ditadura de Getulio Vargas. Terminada a ditadura foi eleito deputado para a assembléia constituinte. Quando novamente o PCB, o Partido Comunista, foi obrigado a retornar à clandestinidade, ele se tornou um dos mais expressivos dirigentes na organização dos trabalhadores, sobretudo do estado de São Paulo. E após o golpe militar de 1964, rompeu com a linha pacifista do partido, que ao seu ver era concordista com a ditadura militar. Participou da famosa conferência em Havana e ao retornar criou no Brasil o agrupamento comunista que se torna conhecido na história por Ação Libertadora Nacional (ALN). Eu guardo a honra de ter sido militante da Ação Libertadora Nacional, de ter convivido com Marighella e ter recebido dele, por coincidência, a missão de me deslocar de São Paulo para o Rio Grande do Sul e organizar aqui neste estado um esquema de fronteira, de fuga de companheiros militantes que participavam de operações armadas, através das fronteiras deste estado com a Argentina e o Uruguai.



Aqui me mantive ao longo de quase um ano, tendo tido a alegria de tirar do país por essas vias, os companheiros responsáveis pelo primeiro seqüestro político da historia da esquerda, o seqüestro do embaixador norteamericano em setembro de 1969. Então eu queria que nós também prestássemos uma homenagem aos trinta anos do assassinato do companheiro Carlos Marighella.



Nós homenageamos todos aqueles outros companheiros que lutaram na América Latina, no Caribe, que derramaram o seu sangue para que o nosso ideal libertador permaneça vivo e que novas relações possam se integrar nesta luta, como é o exemplo hoje de tantos jovens do Movimento do Sem Terra no Brasil, que já despontam como combatentes corajosos, decididos, sem temor, enfrentando, nas ocupações que realizam tanto na terra, quanto nos prédios públicos e praças públicas, as forças policiais e o governo Fernando Henrique, que estão a serviço dos interesses do FMI, governo do capital, em nosso país.



Ao final deste seminário, cada um de nós sai com o coração cheio, primeiro de gratidão. Gratidão pelo esforço, pelo trabalho, pela dedicação dos companheiros e companheiras do estado do Rio Grande do Sul, mas em especial dos companheiros e companheiras da prefeitura de Caxias do Sul. Nós somos muito gratos a Isabel Freitas e sua equipe que desde de Porto Alegre ajudaram articular este evento, a Luis Brambatti e sua equipe, que aqui em Caxias nos propiciaram desde la alimentação à possibilidade de ocuparmos este espaço durante estes quatro dias, e em especial agradecemos ao governador Olívio Dutra, ao vice governador Miguel Rosseto. Agradecemos ao prefeito Pepe Vargas, a viceprefeita Marisa Lavequia pela acolhida, mas sobretudo pela maneira interessada e a sintonia política, ideológica, que tiveram com os nossos trabalhos nestes dias. Até este seminário, eu pensava que, em se tratando de eventos internacionais, o único dirigente político que não tinha o que fazer durante o evento era Fidel Castro. Porque nos eventos de Cuba, Fidel participa da primeira à ultima hora, dia por dia, como se o mundo todo parasse e ele não tivesse que se preocupar com mais nada. Mas agora eu vejo que a Marisa e o Pepe Vargas também são capazes de fazer parar a roda da história em Caxias para estar aqui durante quatro dias, de manha até a última hora da noite, convivendo e participando dos nossos trabalhos. Eu queria uma salva de palmas.



Um agradecimento especial na pessoa de Claudia Korol, ao grupo da redação da revista América Livre na Argentina, não só de Buenos Aires. Há pessoas de Rosário e de Córdoba, de outras províncias da Argentina, que são os verdadeiros artistas de todo este processo. Eu sou apenas o diretor virtual. Vocês sabem que existe hoje cidadania virtual, ética virtual, democracia virtual que predomina em toda a América Latina e há entre o virtual e o real uma grande distancia. Inclusive na teologia a gente tem um grande problema hoje de como qualificar o pecado, o adultério virtual. O sujeito que namora a vizinha pelo computador. Então, eu sempre falo: sou o diretor virtual. A gente tem que reconhecer que a revista e estes seminários têm sido possível pelo empenho de equipes da Argentina, de Cuba e de tantos países que tornam realidade este sonho. E por isso, na reunião que fizemos ontem da revista, junto com a coordenação do encontro, decidimos mudar um pouco o sistema da pauta de direção da revista. A revista possui uma secretaria executiva que acompanha os trabalhos e que é a Claudia Korol, eu sou o diretor da revista e do conselho de redação.



Agora dividimos o conselho em conselho de redação e conselho de direção, de modo que aqueles que estão mais próximos das nossas atividades e participam efetivamente dos nossos projetos e das nossas decisões passem a integrar o conselho de direção da revista. E eu queria anunciar a admissão de dois novos membros, porque os conselhos da revista não são integrados por entidades, partidos, sindicatos ou movimentos, são integrados por pessoas que, efeitivamente, trazem, de sua prática em seus países, uma representatividade. Então, eu tenho a honra de anunciar a integração nos nossos conselhos o integrante da Frente Zapatista de Libertação Nacional, do México, o companheiro Javier Elorriaga. E por parte do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra do Brasil, o companheiro João Pedro Stédile.



Companheiros, nós vamos partir, depois de 4 dias de reflexões, de debates, de estudos, preservando o caráter específico, singular e precioso de América Livre que é a nossa unidade na pluralidade. Os nossos seminários, como a nossa revista, são de todos nós, de todas as nossas organizações, partidos, sindicatos e movimentos. Não são do Vaticano, embora o diretor seja um frade, não são deste ou daquele partido, deste ou daquele movimento. A riqueza de América Livre é este espaço ecumênico de discussão onde procuramos intensamente trazer uma pauta de questões importantes, pertinentes com a conjuntura que estamos vivendo no momento, mas deixando que cada companheiro, cada companheira ao retornar para o seu país, ao retornar para o seu trabalho de base, leve as teses que absorveu, as teses que assimilou, as teses que aderiu, para que possamos ir tecendo nesta pluralidade de forças libertadoras latinoamericanas e caribenhas o futuro da transformação radical deste continente e da implantação do socialismo que queremos.



Foram dias muito ricos. Dias que a solidariedade se efetivou, aqui, através da troca de experiência, mas sobretudo através da sensibilidade tocada pelos relatos daqueles companheiros e companheiras que estão neste momento mais na linha de frente. Não vou citar todos, mas eu me lembro dos companheiros que hoje são prisioneiros políticos na Argentina, os companheiros e companheiras que estão combatendo nas selvas da Colômbia, daqueles que integram o Exército Zapatista de Libertação Nacional, daqueles que tentam na Venezuela construir um novo projeto político nacional, daqueles que aqui no Brasil realizam ocupações de terra e ocupações do solo urbano. Tudo isto se constitui um quadro que deixa vivo para todos nós o que é um pacto. A luta continua. Não estamos aqui pensando no que vamos fazer, nós estamos fazendo. Viemos de uma prática e vamos retornar abastecidos, fortalecidos, enriquecidos para esta prática. Uma prática complexa, que não tem nada de geométrica, cristalina, cartesiana, porque a realidade em que vivemos no continente latinoamericano e caribenho é uma realidade complexa e talvez falte em nosso discurso, em nossas teorias, mas sobretudo em nossa prática, a capacidade de abarcar toda esta complexidade que nos foi chamada a atenção aqui. Ainda nos falta trabalhar melhor os nossos gritos de luta com os povos indígenas do continente. Povos que no próximo ano, o Brasil vai comemorar, a palavra comemorar significa fazer memória, 500 anos do genocídio promovido pelos portugueses ao invadir o nosso país na sua empresa colonizadora. Aqui viviam cinco milhões índios, hoje reduzidos para um pouco mais de 300 mil. Uma riqueza antropológica única.



Quando me perguntam no exterior, o Brasil é um país tão grande, quantas línguas, quantos idiomas se falam no Brasil? Com muito orgulho, eu respondo 187, porque um é o português, porque os povos indígenas brasileiros falam 186 diferentes idiomas. Agora, riqueza para qual inclusive nós da esquerda ainda não prestamos a devida atenção. Precisamos avançar também na questão dos negros. O movimento negro se articula, cresce nos países da América Latina, sobretudo naqueles que tiveram o processo da escravatura trazida pelos colonizadores, com a mescla de nossas raças, que são Cuba e Brasil. Pessoas do Brasil que nunca foram a Cuba, quando me perguntam como é Cuba, a resposta mais simples é que Cuba é uma Bahia que deu certo. Porque há uma semelhança muito grande entre a vida e a alma do povo cubano e a vida e a alma do povo baiano. O Brasil é a segunda nação negra do mundo, depois da Nigéria, nós somos 163 milhões de habitantes dos quais mais de 50 milhões são negros. Mas o Brasil guarda a marca profunda de ser, de todos os países das três Américas, aquele que suportou o mais longo período de escravatura, trezentos e vinte anos. E foi por força das elites brasileiras, que sempre impediram este país de realizar Reforma Agrária ao ser decretada a abolição oficial da escravatura, porque todavia ainda existe o trabalho escravo neste país, sobretudo na Amazônia. Aos negros foi negado o acesso à terra, principalmente as melhores terras do país nesta região sul para onde foram trazidos, como diz bem as expressões culturais, imigrantes europeus, sobretudo italianos e alemães. Daí a maioria da população negra do nosso país permanecer duplamente marginalizada, por ser negra e por ser pobre.



Temos que avançar na questão da mulher e das relações de gênero. Ainda a esquerda é herdeira de categorias próprias do racionalismo europeu da primeira metade deste século, onde não se sabia como se enquadrar o índio, o negro, os movimentos sociais e também a questão das relações de gênero e especificamente da mulher. Ou seja, talvez umas das maneiras mais explícitas e cruéis que o capitalismo utiliza para reforçar a sua dominação ideológica, sem duvida nenhuma é o uso da figura da mulher na sua publicidade e na sua produção de filmes. O uso degradante, humilhante, onde a mulher é reduzida a mero objeto de consumo e isto reforça as nossas estruturas patriarcais e machistas que passam também pelos nossos movimentos, pelos nossos sindicatos, pelas nossas igrejas, em especial pela católica, onde a mulher pode ser cultuada no altar como santa, pode ser proclamada doutora da igreja, mas não pode ser padre, não pode ser bispo, não pode ser cardeal, não pode ser Papa. E por que se ela é tão criação de Deus quanto o homem? Por mero patriarcalismo e machismo, e isso passa pelos nossos partidos políticos.



Uma questão também da maior importância na conjuntura que vivemos neste fim de século e milênio, mas que lamentavelmente não se tocou aqui, é a questão ecológica, da preservação do meio ambiente. Esta é uma bandeira que nós da esquerda não podemos deixar nas mãos da direita, porque se deixarmos nas mãos da direita as crianças vão continuar chorando porque a televisão mostrou os peixinhos sujos de gasolina no Alasca ou no Golfo, mas não vão continuar sensibilizadas pela destruição da principal espécie em extinção que é o bicho homem e o bicho mulher, que estão sendo extintos pela fome como resultado da exploração e da globocolonizaçao.



Ecologia é a do Chico Mendes, ecologia é aquela que abarca a natureza tendo como o centro a libertação do homem e da mulher. Ecologia é aquela que nos integra neste processo holístico em que nenhum ser pode ser separado do outro, seja ele considerado vivo ou não vivo. Somos todos frutos da mesma maravilha de evolução do universo, disto que os gregos chamam de cosmos, que é a mesma raiz de cosmético, aquilo que trás beleza. No entanto somos os únicos seres que pelos nossos olhos e pela nossa inteligência permite ao universo contemplarse a si mesmo e reconhecer a própria beleza. E se mais belo não é, não é por culpa do Criador e muito menos das leis da evolução, é por culpa da nossa ambição, do nosso egoísmo, mas sobretudo das estruturas de dominação, exploração e humilhação que hoje estão fortalecidas pela face neoliberal do capitalismo.



É este o nosso compromisso e desafio, sair daqui com a disposição de combater o sistema capitalista e lutar pela implantação do socialismo até o último dia das nossas vidas, ainda que cada um de nós tenha, como eu tenho, a convicção subjetiva de que não vamos participar da colheita, mas estamos dispostos a correr como sementes. Este é o desafio. Neste processo, companheiros, é muito importante que façamos uma profunda autocrítica do que significou o socialismo no leste europeu. Não devemos ter vergonha nem de reconhecer os erros daqueles que nos precederam, para com um melhor reconhecimento do passado evitar a repetição dos mesmos erros do presente, de modo a construir um futuro melhor. Para isso nós precisamos sim, fazer uma autocrítica profunda. Em que medida os nossos grupos, os nossos movimentos, os nossos partidos ainda trazem marcas de autocracias, de burocratismos, de teoricismos? Em que medida, o povo é um conceito na nossa boca ou faz parte do nosso compromisso de vida, das nossas atividades cotidianas, da nossa consagração de vida? Em que medida, nós enchemos nossa cabeça de teorias revolucionarias, mas na nossa cotidianeidade não somos capazes de viver uma ética, um compromisso da comunhão com aqueles que efetivamente são os oprimidos, os excluídos?



Precisamos passar por isso, para que, a partir desta autocrítica, sejamos capazes de construir uma alternativa latinoamericana efetivamente viável. Chega de equívocos que sacrificam gerações. Chega de sangue derramado por erros que poderiam ser evitados. Chega de entusiasmo que não é acompanhado de análises profundas, mas chega também de movimentos que se fazem da vaidade pessoal, daqueles que acabam colocando o partido em função da sua carreira política individual e trocam o nós pelo eu, esquecendo que ele é um processo coletivo, onde não se trata de chegar ao poder fulano ou sicrano, se trata de trazer o poder na mão do povo de maneira que a gente construa com o socialismo uma democracia real.



Este desafio, nós vamos enfrentálo, não reinventando a roda e nem reinventando processos de orientação. Vamos enfrentálo incorporando à nossa memória, à nossa pratica, o patrimônio revolucionário e teórico da esquerda na América Latina e também em outros países do mundo. Não podemos de maneira alguma ignorar este patrimônio. Não podemos de maneira alguma ficar à espera que um novo iluminado surja para fazer uma obra melhor do que a de Marx. A obra do Marx, como foi dito aqui, é de suma importância para nossa atuação revolucionária, como a obra do Gramsci, como a obra do Che, como a obra de tantos outros companheiros que embora sejam menos conhecidos, mas têm obras importantes e companheiros que hoje, me permitam dizer, publicam ensaios de transcendental importância para a nossa luta, na nossa revista América Livre. Vamos incorporar este patrimônio e ao mesmo tempo saber conciliar a nossa teoria revolucionária com os nossos princípios subjetivos. Para isso é preciso que os nossos esforços atinjam, isto que tanto foi falado e discutido principalmente nos trabalhos de grupo, a nossa subjetividade como ser humano. É aí, no trabalho da nossa realidade espiritual, que poderemos, também, no diaadia da nossa prática, através do processo social, criar, desde agora, não à espera da revolução que virá, mas desde agora, o homem e a mulher novos, que sejam dignos e capazes de fazer da revolução, de fazer do socialismo, uma obra de amor.





Autor: Frei Betto Fonte: http://www.dhnet.org.br/direitos/militantes/freibetto/betto_socialismo.html





(*) Trata-se da revista "América Libre", publicação oficial do Foro de São Paulo, o onagro socialista que pretende construir uma nova União Soviética, a "União das Repúblicas Socialistas Latino-Americanas", que tem Cuba como modelo. A Venezuela de Hugo Chávez é o país que, até o momento, mais se aproxima do paraíso sonhado por Lula e comparsas.



Frei Betto, obviamente, não é frade coisa nenhuma. Pode até, eventualmente, vestir uma batina, porém, quem professa uma ideologia criminosa, como a Teologia da Libertação, enaltece terroristas, como Carlos Marighela, e promove o avanço do comunismo na América Latina, nunca será um verdadeiro cristão. Frei Betto, aliando-se a facínoras como Fidel Castro é apenas mais um frade apóstata, se auto-excomungou, mesmo que nenhum bispo o tenha excluído em público do seio da Igreja Católica.



Manuel Piñeiro, o "Barbaroja", dileto amigo de Frei Betto, foi o chefe do serviço secreto cubano e promoveu o terrorismo em vários países latino-americanos, especialmente na Nicarágua sandinista e no Chile de Salvador Allende. Frei Betto mente quando diz que o "Barbaroja" quase nunca saiu de Cuba. Piñeiro foi quem levou uma famosa carta a Allende, um pouco antes do contragolpe de Augusto Pinochet, que pode ser lida em http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=835&cat=Ensaios&vinda=S.



Piñeiro é também o fundador do Movimento de Libertação Popular (Molipo), que teve entre suas hostes José "Daniel" Dirceu, o Rasputin da República dos Barbudinhos de Lulla, o rufião dos mensalões. É essa raça que realmente governa o Brasil nos tempos lullanos, sob a orientação do Foro são paulino: Fidel Castro, Zé Dirceu e Frei Betto, com uma mãozinha de Hugo Chávez. Lulla é apenas um fantoche, o Kerensky tupiniquim (Félix Maier).





Obs.: Retirado de "Novidades no site www.puggina.org"











Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui