Usina de Letras
Usina de Letras
72 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59664 )

Cartas ( 21255)

Contos (13325)

Cordel (10320)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9536)

Erótico (13486)

Frases (47213)

Humor (19420)

Infantil (4624)

Infanto Juvenil (3938)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138775)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5657)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Marilena Chauí no Retiro dos Filósofos -- 19/09/2005 - 13:20 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Marilena vai para o Retiro dos Filósofos



Por Reinaldo Azevedo



Começo hoje a arrecadar recursos para criar uma ONG, a que pretendo dar o nome de Retiro dos Filósofos. A primeira moradora honorária será Marilena Chaui. Prometo enviar a ela cestas básicas com uma ração diária de realidade e aqueles livrinhos com minutos de sabedoria. Lá no meu interior, corria a lenda de um sujeito que tinha ficado maluco de tanto ler. A crença de que estudar faz mal, de que Lula é a encarnação maior, tem, sim, raízes populares. Começo a desconfiar da sanidade intelectual de Marilena Chaui. Não porque ela tenha estudado muito, é claro, mas porque estudou certamente pouco, em especial os assuntos sobre os quais fala movida a ignorância e irresponsabilidade.



Há uns 20 anos, Marilena fazia malabarismos mil na USP. Equilibrava Marx de segunda na ponta do nariz; glosava Claude Lefort com a ponta dos dedos; numa das mãos girava Merleau-Ponty; com a outra, jogava Espinosa para o alto, dava um salto mortal e ia para ao aplauso da galera. Era um verdadeiro espetáculo. Sempre na ofensiva.

Um seminário prometia ser aborrecido? Havia o risco de aqueles, como dizer?, marxistas legais da USP ficarem com suas querelas de determinismo da história? Ora, que se chamasse Marilena Chaui, e tudo se animava. Ela sempre emprestava certa coloração de anarquismo chique aos ambientes. Era um verdadeiro Katrina teórico contra os diques da sensatez e da racionalidade. Daí aquela famosa pichação no prédio da faculdade: “Marilena, a filosofia melou por ti”. Nunca soube se quem escreveu era um admirador à beira do gozo filosófico ou um realista avant la lettre. Marilena, com efeito, melou a filosofia.



A última desta senhora é inventar que existe um grande ódio pelo PT porque o partido estaria na origem da democracia brasileira. São três mentiras encadeadas. Mais do que ódio, o que se começa a ver é, na verdade, desprezo pelo PT, acompanhado de espanto. Tanto é assim que se trata do maior partido do país, com a maior bancada da Câmara Federal, elegendo o presidente da República com 53 milhões de votos. Se o PT agasalhou tudo isso numa cueca teórica puída, a culpa certamente não cabe aos não-petistas. Então, claro, não havia ódio. Ao contrário, havia admiração. Injustificada, é verdade, mas havia. E injustificada por conta da segunda mentira.

A segunda mentira é aquela que sugere que o partido foi o grande veículo da democracia brasileira. Não foi. Nasceu num cadinho de vocações ideologias autoritárias; organizou-se, de saída, confundindo sindicato e partido e depois ambos com o governo e com o Estado, falando em nome de um certo socialismo democrático que não passa de truque para enganar incautos. Ou Marilena me diz onde houve socialismo democrático ou serei obrigado a acusá-la de picaretagem intelectual.



A terceira mentira está embutida na segunda. A democracia brasileira foi uma construção coletiva, de que participaram muitas forças, algumas delas sem nenhum vínculo com a esquerda. Mais ainda: em momentos cruciais de nossa democracia, notadamente em sua conformação institucional, o PT ou esteve ausente ou apostou na crise. Foi assim com sua atuação pífia, ridícula, durante a Constituinte — Lula estava no Congresso e acusou a existência de 300 picaretas (os mesmos que seu partido tentaria comprar mais tarde); foi assim, antes, quando se negou a participar do Colégio Eleitoral; foi assim quando atacou, por maus motivos, e não pelos bons, o Plano Cruzado; foi assim quando viu fantasmas da dominação ideológica no Plano Real; quando se pôs em marcha contra as privatizações...



Em suma: a democracia e as instituições brasileiras se fizeram a despeito e apesar do PT. O partido pegou carona nas causas que eram úteis à sua construção. A começar pelo chamado “novo sindicalismo” do ABC. À parte as carreiras que esse sindicalismo erigiu na política e as vidas que a construção do PT ajudou a destruir com demissões, o capitalismo brasileiro seguiu seu curso. Do ponto de vista da economia política, foi de uma irrelevância danada. Se a universidade não estivesse submetida ao tacão petista, já teríamos teses de mestrado e de doutorado mostrando que o sindicalismo de Lula não teve nenhuma importância seja na ampliação dos direitos trabalhistas, seja na ampliação da massa salarial. Muito ao contrário. Algumas empresas fugiram da região e se instalaram em outros locais do país, onde podiam pagar salários mais baixos, sem ter de se submeter aos capas-pretas de Lula.



É claro que Marilena não sabe nada disso porque ela está ocupada demais com suas convicções para prestar atenção aos fatos. Há muito tempo esta senhora renunciou ao pensamento para se entregar ao proselitismo vulgar. Há muito tempo esta funcionária pública, paga com o dinheiro dos miseráveis para pensar, condição rara no Brasil, serve de esbirro, como direi?, filosófico de um projeto de poder.



Sua tese de que o suposto ódio ao PT deriva do fato de que o partido construiu a democracia brasileira é uma mentira vergonhosa. Quem é que está descontente com a democracia no país, dona Marilena? Seriam aqueles que tentaram comprar o Parlamento? Seriam aqueles que tentaram censurar os jornalistas com um conselho federal? Seriam aqueles que tentaram encabrestar a cultura com sua ideologia caolha? Seriam aqueles que se apoderaram dos fundos de pensão como se eles fossem propriedades particulares de um partido? Seriam aqueles que transformaram as estatais em mero canal do propinoduto? Seriam aqueles que desviaram recursos da folha de pagamento dos servidores para o partido com o malandro expediente da “doação obrigatória”? Seriam aqueles que fizeram do FAT mera extensão da CUT? Seriam aqueles que fizeram do sindicalismo correia de transmissão do partido? Seriam aqueles que não apenas aderiram aos marcos de política econômica que antes condenavam como os radicalizaram? Seriam aqueles que criaram uma verdadeira blitz na opinião pública para ocultar o corpo de Celso Daniel e seis outros cadáveres a ele ligados? Seriam aqueles que transformaram a universidade em uma repartição do partido político — com Marilena tendo papel de destaque, diga-se, em transformar o ensino de terceiro grau em mero apparatchik petista?



Não, eu não esperava de Marilena uma análise lúcida da conjuntura porque, com as suas obscuridades letradas, que sempre afetaram grande sapiência, ela sempre conseguiu ocultar as bobagens pantagruélicas que diz sobre o presente, a política, a economia, assuntos sobre os quais ela não entende absolutamente nada. Mas, vá lá, dava-lhe ao menos o voto de confiança de que saberia fazer um mea-culpa, quando menos acusando desvio no partido, o que até Tarso Genro faz. Não, não ela! Nem isso. Trata-se mesmo, vê-se, a seu juízo, de uma grande conspiração contra estes utopistas tão empenhados em nos oferecer o belo, o digno e o justo. Ainda que, para tanto, tenham tido de afrontar toda a ordem legal e institucional.



Ah, claro, temos de nos lembrar de que esta ordem, afinal de contas, não vale. Eles estão, Marilena em especial, empenhados em construir outros futuros. Todos sabem o que penso. Até porque não disfarço jamais, não é mesmo? Não tenho nenhuma admiração ou encantamento pelos que se querem “mártires” disso ou daquilo brandindo a bandeira comunista. Queriam era ditadura. São meus adversários. Só aceito democracia. Mas, já disse, respeito pessoas que têm coragem física, que correm alguns riscos, ainda que por causas estúpidas. Marilena nem isso. É uma radicalóide de gabinete; uma jacobina do livro-ponto; uma partidária do Terror do verbo; uma intelectual típica da geração dos 80 — refiro-me ao auge de sua, por assim dizer, produção intelectual. Os fios estavam algo soltos. E ela soube disfarçar muito bem sua visão essencialmente stalinista e burocrática com laivos de anarquismo feminil e algum frankfurtismo de contrabando.



Não sei se o seu livro “Querido, Espichei Espinosa” (A Nervura do Real) é bom ou não porque não li e não vou ler. Se eu viver uns 130 anos, talvez chegue a ele na fila das minhas ignorâncias. Mas não sou assim tão otimista. Acho que a 125 não chego... Outros que ela tem sobre o filósofo — pesquisem para ver e leiam se conseguirem — é uma tentativa canhestra de usar o autor como pretexto para fazer proselitismo de assuntos contemporâneos. Isso tem nome, e prefiro não declinar aqui. Sei que outra obra sua, “Querida, Encolhi Marx” (O que É Ideologia — sinopse de A Ideologia Alemã), ajudou a lhe fazer a fama — e, quem sabe, alguma fortuna. E é ruim de doer. Determinismo para iniciantes e inocentes.



Nos demais livros, quando Marilena não glosa Claude Lefort — e é uma pena que José Guilherme Merquior tenha partido tão depressa, cumprindo a predição de que morre cedo o que os deuses amam...—, investe naquele já aludido anarquismo rudimentar que nada deixou de útil à história do pensamento ou à compreensão da realidade contemporânea. O séqüito não precisa me lembrar que o próprio Lefort contestou a desmoralização a que Merquior submeteu o livro Cultura e Democracia, evidenciando que era uma cola. Não me obriguem a entrar nessa história. O fato é que Merquior tinha razão e o assunto só morreu porque, afinal, dizia-se, ele era “de direita”, e Marilena sempre gozou da licença de ser uma senhora “progressista” e de “esquerda”.



Não! A professora está, como sempre, equivocada. O desprestígio contínuo do PT nada tem a ver com sua adesão à democracia. Muito ao contrário. Seu declínio corresponde à revelação de sua real natureza, pela qual Marilena é uma das responsáveis. Quando ela estava na oposição, parecia mais mansa, anunciando seus amanhãs gloriosos; agora que é governo, demonstra a agressividade típica de quem está acuada; rompe o silêncio e cai num barulho defensivo, ressentido, azedo, vitimista.



Está decidido. Marilena inaugura o meu Retiro dos Filósofos.



Publicado em 13 de setembro de 2005.











Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui