Usina de Letras
Usina de Letras
28 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61962 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50379)

Humor (19998)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4725)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140716)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Ensinando-me a paz -- 21/04/2002 - 20:06 (André da Silva Galvão) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos




Diamante

Sinto forte a fibra

Abrindo a armadura

Minha pedra rara



Morena e doce

Tome conta de mim

Dentro desta proteção metálica

Eu me sinto tão sombrio



Adormeço em seus ombros

Mãos leves como a brisa

Sua voz tranquila

A casa do meu espírito



Afinando um instrumento

Dei meu sangue em desafinar

Somente você tem o direito

Na casa do meu coração permanecer



Vestindo esta roupa de aço

Você consegue tocar-me

Tentando levar-me para fora

Das carcaças do metal



Sou eternamente seu amigo

No deserto deu-me água

Permanece ao meu lado

No vagão escuro em que viajo



Preparado para a guerra

Acostumado a solidão

Você aparece

Fico conhecendo a paz

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui