Usina de Letras
Usina de Letras
26 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61949 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10254)

Erótico (13559)

Frases (50353)

Humor (19993)

Infantil (5387)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140710)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Cenário Sujo -- 21/04/2002 - 20:00 (André da Silva Galvão) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Cenário sujo



Frágeis medrosos

Suas almas passam por mim

Andam pelas ruas desconfiadas

Estas ladeiras te desprezam



A chuva molha o largo da igreja de São Francisco

A água flui grossa e negra

Negra e doce

Anjinhos e açoites revirando pela enxurrada



A rua contínua suja depois da chuva

Resta o som das chibatas

Mordaças e sapatos de suplício

Pegajosas pedras



Arrastam-se senhores e escravos

Mendigam pelo cenário

Nas brancas igrejas almas rezam

Arcaico cristianismo



Quanta decadência passa por mim

Covardes bravos brancos

Bravos covardes negros

Todos tremendo de pavor



Vejo toda a imperfeição

Natureza humana

Barrocas almas

Vestidas de carne ou não



Memória dos cristãos

Estranha razão bruta

Quem serviu ou foi servido

Ninguém merece piedade

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui