Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
61 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59107 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9435)

Erótico (13481)

Frases (46494)

Humor (19273)

Infantil (4456)

Infanto Juvenil (3718)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138218)

Redação (3051)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5518)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Redação-->Antes de Escrever -- 29/05/2004 - 19:38 (Domingos Oliveira Medeiros) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Juramento do Aprendiz de Escritor
(por Domingos Oliveira Medeiros)

Eu juro por tudo e por todos. Por tudo que é mais sagrado. Escrever com muita paixão. Não se trata de usar. O nome de Deus em vão. Isso é só um juramento. De quem pretende escrever. Apenas quando tiver. O que falar e o que dizer. Emitir opinião. Dar a sua sugestão. Se porventura tiver. Se a aventura couber. Algo de significativo. Coisa bem interessante. Que sirva de estimulante. Pra quem quiser refletir. Pra quem quiser prosseguir. Seguindo mais adiante.

Pra isso agora prometo. Com os dedos das mãos cruzados. Quero ser um escritor. Depois dos aprendizados. Depois de treinar bastante. Com os que são escolados. Prometo, portanto, de início. Este é o compromisso. Gostar de escrever primeiro. E ter sempre o que dizer. E observar certas regras. De como melhor escrever. Observar a gramática. As vogais e as consoantes. Evitar os desencontros. Dos hiatos e tritongos. E de todos os ditongos. Crescentes e decrescentes.

Prometo, também, mais ainda. Prestar muita atenção. Na parte da ortografia. E sua acentuação. Estudar com muita presteza. A sua colocação. O trema e o apóstrofo. E o hífen de sobremesa. A estrutura das palavras. E sua derivação. Radical e desinência. Tem também a formação. Prefixos e sufixos. Fazem parte da lição. Frase, oração e período. E sua composição. Sujeito, verbo e predicado. Tem que ter muito cuidado. Na sua composição.

Também se faz necessário. Os seus termos acessórios. Que não menos importantes. Usados a cada instante. Necessidades reais. São eles os adjuntos. Do nome e do advérbio. Adjuntos nominais. E os adverbiais. Prometo ficar atento. À questão do substantivo. Concreto e abstrato. Assim como a dor do parto. E a magia do amor. Sejam próprios ou comuns. Ou em grupos, coletivos. No plural ou singular. Seja macho ou seja fêmea. Sejam grandes ou pequenos. Se preciso aumentar. Ou até diminuir. É preciso atentar. Para o grau que vai usar. Se formas aumentativas. Ou então diminutivas. Tudo isso pra escrever. Com maior propriedade. O que deseja dizer.

Artigos e adjetivos. Fazem parte do processo. Pronomes demonstrativos. Pronomes indefinidos. Tudo isso é relativo. Verbos então nem se fala. Sem eles a gente se cala. Não há como dizer nada. Sem a sua conjugação. Seus modos e seu emprego. Tudo isso na palma da mão. Discurso indireto e direto. Discurso pra todo gosto. E não podemos esquecer. Temos que reconhecer. A força da preposição. E também da interjeição. Na construção do período. As figuras de sintaxe. E tantos outros recursos.

Por fim a pontuação. Que dá prazer a leitura. Melhora a compreensão. O ritmo e a harmonia. O ponto e os dois pontos. As paradas obrigatórias. A espera pelo bonde. O bonde da respiração. Sentido de cada frase. A vírgula e a exclamação. E quando houve dúvida. Use a interrogação. Clareza também se faz. Com as aspas e os parênteses. Colchetes e travessão. E tem os versos e as rimas; e também as melodias. Disso não nos afastemos. São lições de todos os dias.

E pra encerrar a questão. Prometo de antemão. Pensar bem no conteúdo. Pra emitir opinião. Aceitar todas as críticas. E também a sugestão. Ninguém é dono de tudo. Ainda mais da razão. Seja humilde e verdadeiro. Evite fazer confusão. Clareza de pensamento. Não e mais que obrigação. O texto tem que ter começo: a sua apresentação. Depois no meio da coisa. Vem toda a explicação. E no final se reforça. O pensamento invocado. E assim termina a parada. Com a sua conclusão. O resto é só treinamento. Persistência e boas idéias. Fruto da reflexão. E de sua imaginação. Compre um bom dicionário. Leia tudo que puder. Troque bastante impressões. Com quem melhor lhe aprouver. É assim que faço até hoje. Um dia eu chego lá. E serei um bom escritor. Quem sabe até professor? Com diploma de doutor? Ou mesmo um presidente. Já que não precisa tanto. Basta ser bastante honesto. Muito bem intencionado. Gostar da população. Respeitar o eleitorado. Ser também inteligente. Estar bem assessorado.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui