Usina de Letras
Usina de Letras
66 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59276 )

Cartas ( 21241)

Contos (13148)

Cordel (10297)

Crônicas (22219)

Discursos (3164)

Ensaios - (9464)

Erótico (13486)

Frases (46713)

Humor (19313)

Infantil (4488)

Infanto Juvenil (3785)

Letras de Música (5484)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138414)

Redação (3059)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5564)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Frases-->Para quê? -- 18/11/2006 - 21:40 (gisele leite) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Para quê?

Para quem sabe ouvir
A melodia que escorre pelo olhar
Para quem sabe ouvir
A síncope ritmada de um coração
Para quem sabe ouvir os segredos do mar,
Do vento...
A nos sussurrar as histórias e as estórias

Para quem sabe sentir
As esporas da vida a lhes fincarem
A alma
E sangrar, a latejar e a gotejar como chuva
Rubra mistura de dor, ódio e solidão.

Para quem sabe que o cais é prisão
E o oceano uma falsa liberdade
Para quem sabe que precise de você
Na exata medida em que do que sinto
Como uma navalha fina, silenciosa e contundente
A escavar na pele um orifício de rancor e morte

Quantas mortes ainda terei que querer
Para entender o sentido da vida...
Matam-se sentimentos
Mata-se auto-estima
Mata-se paz
Afogada num mar de espinho...

Quantas mortes serão necessárias para provar
A inutilidade da guerra
Quantas mortes serão contabilizada.
Na estatística fria dos homens...
O homem tem se desumanizado
Pouco a pouco, não atinge a perfeição.
Da máquina e nem tem o poder de um deus...

Minhas tintas colorem aquilo que é indizível
Que é invisível aos que apenas vêem,
Sem enxergar...
Sem se embriagar da essência de tudo,
Sem se sentir pequeno e absurdo.
Pessoa já vociferava: - São todos príncipes !

Arre! Estou farta de príncipes, de sapos, de lendas.
Quero estórias vivas, a emoção violenta.
A trajetória torta numa curva perigosa
Perigo mesmo é toda essa alienação reinante,
É toda a surdez desumanizante,
É todo esse sangue derramado a se encontrar com lágrimas
Sem tingir de cor de rosa as páginas de nossa memória.
Para quê afinal?



Gisele Leite
18.11.2006
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui